FC Porto com tarefa difícil ante o Rio Ave, rivais com vida mais facilitada

| 1.ª Liga

Legenda da Imagem
|

O líder FC Porto é o 'grande' com a tarefa mais complicada na sexta jornada da I Liga de futebol, ao deslocar-se ao estádio do Rio Ave, enquanto os rivais Sporting e Benfica recebem adversários, teoricamente, mais acessíveis.

A equipa 'leonina', que reparte a liderança com os portuenses, ambos com um percurso 100% vitorioso na prova, recebe no sábado o Tondela, enquanto o Benfica defronta no mesmo dia o Boavista, cujo treinador Miguel Leal se demitiu na quarta-feira.

O FC Porto estava lançado numa série de cinco triunfos consecutivos no campeonato, mas o ânimo da equipa treinada por Sérgio Conceição deve ter sofrido um abalo na quarta-feira com a derrota na receção ao Besiktas -- a primeira da época -, por 3-1, na estreia na Liga dos Campeões.

O regresso à prova interna poderia ter reservado um adversário menos incómodo, uma vez que o Rio Ave é o atual quinto classificado e já 'roubou' dois pontos ao Benfica, ao empatar 1-1 na receção ao tetracampeão, apesar de ter perdido na ronda anterior no recinto do Marítimo (1-0).

O Sporting é que parece imparável em todas as frentes, apesar de ter passado por alguns sobressaltos em alguns dos recentes triunfos, como aconteceu na terça-feira, para a 'Champions', ante o Olympiacos, que bateu por 3-2, depois de ter chegado ao intervalo a vencer por 3-0.

A equipa treinada por Jorge Jesus tem no defesa Fábio Coentrão a única dúvida para o confronto de sábado com o Tondela, 11.º posicionado, que nunca venceu nas duas vezes que recebeu para o campeonato.

A formação orientada por Pepa detém neste início de época melhor registo fora de casa, situação em que conquistou a única vitória e ainda não perdeu, contra um empate e duas derrotas caseiras.

Terceiro colocado, a dois pontos dos rivais na luta pelo título, o Benfica venceu apenas um dos últimos três jogos, incluindo o desaire caseiro com o CSKA Moscovo, para a Liga dos Campeões, e mesmo no triunfo sobre o Portimonense, em ambos os casos por 2-1, esteve longe de convencer os adeptos.

A equipa treinada por Rui Vitória sofreu golos em cinco dos sete jogos oficiais disputados nesta época, o que adensou as dúvidas sobre a capacidade do setor defensivo do tetracampeão nacional, na sequência das transferências milionárias de Ederson, Nélson Semedo e Lindelof.

O Benfica conta com o melhor marcador da prova, o avançado brasileiro Jonas, autor de seis golos, mas poderá apresentar-se com duas ausências importantes -- o defesa Jardel e o médio Fejsa -- no estádio do Boavista, que foi incapaz de vencer na época passada (3-3 em casa e 2-2 fora).

O Marítimo recebe o recém-promovido Desportivo das Aves, na expectativa de se confirmar como um dos mais fortes candidatos aos lugares de acesso à Liga Europa e continuar a capitalizar o arranque menos conseguido de Vitória de Guimarães e Sporting de Braga.

Os rivais minhotos, que estão separados por apenas um ponto e dois lugares (o Guimarães é sétimo classificado e o Braga é nono), defrontam-se no domingo, no estádio dos 'arsenalistas', onde os vimaranenses se impuseram na temporada passada.

A sexta jornada da I Liga inicia-se na sexta-feira com a realização do jogo entre o Paços de Ferreira e o Vitória de Setúbal, ficando concluída na segunda-feira, com a receção do lanterna-vermelha Desportivo de Chaves ao Moreirense.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A deriva independentista do nacionalismo catalão está a revelar-se mais grave do que Madrid previa inicialmente. Temos posições que não permitem qualquer margem para diálogo e que conduziram o processo a um impasse.

    Um ensaio do LNEC e do Instituto Superior Técnico, no âmbito do KnowRisk, evidencia a importância da tomada de medidas preventivas. Veja os vídeos e compare os dois casos.

    A Alemanha aproxima-se da data do escrutínio de 24 de Setembro com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.