Luís Filipe Vieira recorreu da decisão do tribunal

| 1.ª Liga

Incidentes remontam à partida frente ao Vitória de Setúbal no Estádio da Luz
|

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, recorreu da decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAD), que confirmou o castigo aplicado pelo conselho de disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), anunciaram os 'encarnados' no seu sítio oficial.

"A apresentação deste recurso junto do Tribunal Central Administrativo Sul, que tem desde logo a virtualidade de suspender a sanção aplicada, visa a reposição de uma situação de exercício pleno de direitos e a reparação de uma situação injusta e que tem vindo a penalizar de forma reconhecidamente singular no panorama do futebol nacional o presidente do Sport Lisboa e Benfica”, pode ler-se na nota.

O caso remonta ao final do encontro da segunda jornada da I Liga de futebol, a 21 de agosto de 2016, que o Benfica empatou 1-1 em casa com o Vitória de Setúbal, e teve origem em palavras proferidas por Luís Filipe Vieira e dirigidas a João Ferreira, membro do conselho de arbitragem da FPF.

Em novembro, o Conselho de Disciplina da FPF puniu o líder do Benfica com 60 dias, por "lesão da honra e da reputação" contra "os membros dos órgãos da estrutura desportiva, elementos da equipa de arbitragem, dirigentes, jogadores, demais agentes desportivos ou espetadores".

Desde então, Luís Filipe Vieira tem recorrido para as várias instâncias, tendo, a 07 de março último, visto o TAD confirmar o castigo, pelo que foi tomada a decisão de recorrer para o Tribunal Central Administrativo Sul.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.