Ricardo Soares quer terminar passagem pelo Chaves com vitória sobre os `leões`

| 1.ª Liga

O treinador do Desportivo de Chaves, Ricardo Soares, disse hoje que é "fundamental" vencer o Sporting, no domingo, para alcançar 41 pontos e, assim, cumprir a meta traçada no início da época.

"É fundamental vencer amanhã, até porque, fazemos 41 pontos e este grupo de trabalho desde o primeiro dia que fala nos 40 pontos, algo que é perfeitamente alcançável, mas extremamente difícil pela qualidade do adversário", afirmou na conferência de imprensa de antevisão à 34.ª e última jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Para o técnico, que deixa o comando da equipa transmontana, ganhar no terreno do Sporting tem um "impacto maior" e é gratificante, mas vai encarar o jogo como encara todos os outros.

Esta época, este é o terceiro encontro entre Desportivo de Chaves e Sporting, depois de um empate 1-1 na primeira volta e de uma vitória do clube de Trás-os-Montes por 1-0, igualmente em casa, que afastou os 'leões' da Taça de Portugal.

Ricardo Soares, que está de saída, foi surpreendido na sala de imprensa pela presença dos jogadores, equipa técnica e elementos da SAD e, ainda, pela projeção de um vídeo de homenagem, tendo também o final do treino ido cumprimentar os adeptos presentes nas bancadas.

Emocionado e agradecido, o timoneiro assumiu sair com sentimento de missão cumprida, apesar de confessar que pensava ir à final no Jamor e ficar muito próximo dos lugares de acesso à Liga Europa, algo que não aconteceu.

"Levo comigo alguma tristeza, pois podíamos ter feito mais e tínhamos qualidade para fazer mais, mas tivemos alguns resultados que não condizem de todo com os jogos que fizemos", frisou.

O treinador, que assumiu os destinos do emblema 'azul-grená' em dezembro, substituindo Jorge Simão, que foi para o Sporting de Braga, reforçou que pela qualidade da equipa era possível ter feito mais, mas teve infelicidade em algumas partidas.

Assumindo não querer usar essa justificação como desculpa, Ricardo Soares referiu que saíram jogadores, alguns preponderantes, e outros, igualmente fulcrais, ficaram impedidos de jogar por lesões, algumas prolongadas, nomeando Hamdou Elhouni, Felipe Lopes, William ou Ricardo.

Sendo esta a sua primeira experiência na I Liga, Ricardo Soares, que estava no Vizela, da II Liga, considerou ter posto a fasquia muito alta e não conseguiu lá chegar, mas essa é uma lição que leva para o futuro.

Em jeito de despedida, o técnico agradeceu o empenho dos jogadores e o envolvimento dos responsáveis do clube, nomeadamente ao investidor Francisco Carvalho que, realçou, foi ele quem o projetou e lhe permitiu chegar ao escalão máximo do futebol português.

O Desportivo de Chaves, décimo classificado, com 38 pontos, visita o Sporting, terceiro, com 67 pontos, no jogo de encerramento do campeonato, marcado para as 20:15 de domingo e que terá arbitragem de Jorge Ferreira, da Associação de Futebol de Braga.

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.