Clima. Costa vincula Portugal a memorando da Califórnia contra Trump

| Ambiente

A adesão de Portugal ao memorando Under 2 coalition foi anunciada por António Costa após uma reunião com o governador da Califórnia, Jerry Brown
|

Foi à saída de um encontro com o governador da Califórnia, Jerry Brown, que António Costa deu como selada a adesão de Portugal ao memorando Under 2 Coalition, documento subscrito por 17 Estados norte-americanos que contraria as políticas da Administração Trump em matéria ambiental. O primeiro-ministro colocou a tónica no “cumprimento das metas do Acordo de Paris”.

Durou hora e meia, segundo a agência Lusa, a reunião entre o governante português e Jerry Brown, figura destacada do flanco democrata nos Estados Unidos que se candidatou por três vezes à nomeação presidencial do partido: em 1978, 1982 e 1992, contra Jimmy Carter e Bill Clinton.

Concluído o encontro, António Costa falou de uma “comunhão de valores”.Costa associou o memorando encabeçado pela Califórnia aos objetivos do Acordo de Paris, já descartado pelo atual Presidente norte-americano.


“Podemos contar com Jerry Brown numa comunhão de valores, não só em Portugal, mas também na Europa, em torno de desafios como o combate às alterações climáticas e na promoção de energias limpas. Queremos o cumprimento das metas do acordo de Paris e pretendemos até superá-las”, sustentou o primeiro-ministro, que teceu elogios a Brown, governador de um Estado que “é a quinta economia mundial”.

“Jerry Brown é seguramente um dos políticos norte-americanos que tem uma visão mais próxima sobre os grandes desafios que nós temos de enfrentar", afirmou o chefe do Governo.

Por sua vez, o governador da Califórnia destacou a conferência internacional que terá lugar em São Francisco a 12 de setembro e que partirá do memorando Under 2 Coalition.

“A Califórnia tudo fará para reduzir as emissões de gases com efeito estufa. Temos de nos unir contra os efeitos do aquecimento global. O que estamos a fazer não é suficiente”, vincou Jerry Brown.

A adesão de Portugal ao memorando é conhecida a menos de duas semanas de uma nova deslocação de Marcelo Rebelo de Sousa aos Estados Unidos, a 26 e 27 de junho, durante a qual o Presidente da República vai ser recebido, em Washington, por Donald Trump.
“Dentro do Acordo de Paris”

Insistindo na defesa do Acordo de Paris para o combate às alterações climáticas, o primeiro-ministro quis sublinhar que, “mesmo cumprindo todos os objetivos” aí inscritos, o mundo ficará “aquém daquilo que é considerado essencial”.

“É preciso que os portugueses, os europeus e todo o mundo saibam que nós, os americanos, queremos estar dentro do acordo de Paris. Fizemos uma aliança entre 17 Estados norte-americanos para apoiar esse acordo. Estamos a fazer o possível para reduzir as emissões de gases poluentes”, afirmaria ainda Jerry Brown.

“Queremos galvanizar o mundo para fazermos mais no combate às alterações climáticas. Temos de investir em tecnologias limpas. Este é um desafio global e que tem de ter resposta também global”, acentuou.

Na antecâmara de uma reunião com a autoridade responsável pela prevenção e pelo combate a incêndios na Califórnia, António Costa assinalou a intenção de reforçar “a cooperação nesta área e aprender com as técnicas e com o conhecimento existente” naquele Estado da costa oeste da América.

“Gostava que esta cooperação na prevenção e combate aos incêndios fosse alargada ao resto da União Europeia, visto que temos um calendário diferente das ameaças de fogos florestais. Espero que, no futuro, a União Europeia e a Califórnia possam partilhar recursos”, apontou.
“País aberto, pacífico e estável”
Horas antes, ao intervir no Senado da Califórnia, o primeiro-ministro quis promover Portugal como “um país aberto ao mundo, pacífico e estável”.O Senado da Califórnia aprovou por unanimidade a institucionalização do Dia de Portugal, 10 de junho, naquele Estado.

“A Califórnia é uma nova fronteira para a inovação tecnológica e para a economia digital. Portugal quer ser parte deste futuro partilhado”, clamou.

“Já estamos a cooperar com a Califórnia ao nível das instituições e das empresas, cooperação que seguramente vai aprofundar-se. Na História, os portugueses estiveram entre os primeiros a explorar a Califórnia. Chegou o momento de os californianos fazerem o percurso em sentido inverso”, exortou Costa.

Na mesma alocução, António Costa salientou o facto de Portugal combinar as identidades europeia e atlântica.

“Os Estados Unidos são o nosso vizinho do outro lado do Atlântico, constituem o nosso maior parceiro comercial fora da União Europeia. Queremos expandir, diversificar as nossas relações”, afirmou.

c/ Lusa

Tópicos:

Administração, Acordo, Adesão, Alterações climáticas, Ambiente, António Costa, Califórnia, Donald Trump, Governador, Jerry Brown, Memorando, Paris, Portugal, Primeiro-ministro,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.