Quercus e ZERO querem todos os plásticos taxados

| Ambiente

Os dez cêntimos pagos por saco não são para uma taxa ambiental, mas sim para os supermercados, dizem ambientalistas
|

Quantos sacos de plástico utiliza quando vai às compras? Este é um problema ambiental de alcance planetário. E Portugal não lhe escapa. Razão pela qual as associações ambientalistas Quercus e ZERO querem ver todos os plásticos taxados.

De acordo com os ambientalistas, um saco de plástico tem um período útil médio de apenas 25 minutos e, quando fica por reciclar, demora cerca de 300 anos a degradar-se. A Quercus estima que 96 por cento da população portuguesa esteja familiarizada com o problema da poluição por plástico, mas aponta que 65 por cento não sabem identificar os plásticos recicláveis.


A utilização de materiais em plástico descartável e de curta utilização, entre os quais os tradicionais sacos, tem aumentado de forma exponencial nas últimas décadas.

Trata-se de hábitos de consumo que passam pela aquisição de cada vez mais produtos embalados ou materiais em plástico cuja utilização dura escassos minutos, como é o caso das palhinhas, dos copos de café das máquinas ou dos cotonetes. E a reciclagem é ainda um hábito por consolidar.

As associações ambientalistas exigem, por isso, medidas quer por parte das indústrias, quer por parte das entidades políticas, pedindo desde já a taxação dos produtos de plástico.

Carmen Lima, coordenadora do Centro de Informação de Resíduos da Quercus, refere que, apesar de a população portuguesa estar mais sensibilizada para os problemas associados ao ambiente, não se verifica uma mudança significativa de comportamento.“Os dez cêntimos não são para o Estado, mas sim para os supermercados, uma vez que aqueles sacos saem da definição ao qual se aplica a lei”, diz a ZERO.

A taxa ambiental aplicada em 2014 aos sacos de plástico mais leves produziu efeitos na redução do número de sacos adquiridos por cada pessoa, mas não muito significativos. Isto porque a oferta continuou e a compra do saco, em muitos casos, já se tornou rotina.

“Com a aplicação desta taxa houve uma redução em cerca de 50 por cento dos sacos que eram vendidos nas grandes superfícies, mas o grande problema é que problema continua a manter-se nos outros locais”, refere Carmen Lima.

A responsável da Quercus refere ainda que o valor pago na aquisição do saco de plástico é exclusivamente para o custo de produção do material. E não uma taxa ambiental.

A ZERO afina pelo mesmo diapasão da Quercus e quer ver os mesmos produtos taxados. A associação ambientalista diz mesmo que há um contornar da legislação - embora legal - por parte das empresas: a venda de sacos acima do limite exigido na legislação (menos de cinco milímetros de espessura).


Susana Fonseca, da ZERO, diz que os sacos oferecidos pelas empresas, mesmo os pagos, podem ser utilizados, sem que lhes seja aplicada uma taxa que deveria beneficiar práticas ambientais.

“Os dez cêntimos não são para o Estado, mas sim para os supermercados, uma vez que aqueles sacos já saem da definição à qual se aplica a lei”, refere.

Reduzir, reutilizar, reciclar e... recusar

De acordo com a Quercus, nos últimos dois anos o uso de sacos de plástico leves tem diminuído substancialmente devido à aplicação da legislação europeia, ao abrigo da qual o Estado aplicou uma taxa adicional, “mas ainda há muito a fazer, quer ao nível da educação ambiental, quer ao nível da reciclagem deste tipo de materiais”.

Para a coordenadora do Centro de Informação de Resíduos da Quercus, é preciso introduzir um novo R à campanha ambiental de uso dos resíduos. Carmem Lima explica que atualmente não basta “reduzir, reutilizar e reciclar. É importante dizer não e recusar o uso e a compra deste material.
ZERO quer o plástico contado


A associação ambientalista ZERO considera, por sua vez, que além de reforçar a mensagem sobre a importância de poupar recursos e reduzir o consumo de materiais descartáveis, é importante contabilizar o consumo real por parte das populações. Motivo pelo qual pede ao Estado que avalie a aplicação da taxa sobre os sacos de plástico.

Mas não só. A ZERO quer saber quantos sacos de plástico são hoje consumidos per capita e exige ao Estado que faça essa contabilidade.

A ZERO quer também conhecer quantos sacos são ainda utilizados, independentemente da gramagem, e ver alargada a aplicação da lei. A utilização de sacos descartáveis voltou a ser muito comum e o valor de dez cêntimos tornou-se quase insignificante.

É hoje evidente a sobreutilização de recursos da Terra e os consequentes desequilíbrios.

Reduzir o consumo de recursos é fundamental, pelo que simplesmente substituir um material por outro de pouco ou nada adiantará, passando da eventual solução de um problema para o surgimento de outro.


A mudança de paradigma passa pela redução, pela reutilização e, muitas vezes, pela recusa, mais do que pela substituição de materiais de forma generalizada.

Tópicos:

Dia Internacional sem sacos de plásticos, Quercus, Taxa ambiental, ZERO, sacos, Plásticos,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.