Luís Saraiva foi o melhor português na sua estreia na meia maratona do Porto

| Atletismo

Luís Saraiva, do Sporting de Braga, correu hoje pela primeira vez a meia maratona do Porto, acabando por ser o melhor português, no 13.º lugar, com a marca de 1:07.23 horas.

"Para esta altura da época penso que fiz uma boa marca", disse à agência Lusa o primeiro atleta não africano a cortar a meta na prova organizada no Porto.

Confessando "não ter noção da marca que podia fazer", pois foi a "primeira vez" que cumpriu o percurso junto ao rio Douro e "não sabia com o que podia contar", o atleta do Sporting de Braga contava fazer um tempo próximo do recorde pessoal (1.07:26 horas).

"O percurso não é totalmente plano, tem zonas de empedrado que desgasta um pouco mais a nível físico e uma ou outra rampa que apesar de não ser muito acentuada também contribui para isso", descreveu o atleta português após cortar a meta.

Entre as mulheres, Susana Godinho, do Sporting, foi a primeira portuguesa a cortar a meta, no sétimo lugar, com o tempo de 1.18:47 horas, resultado que a deixou contente.

"A prova decorreu melhor do que esperava. Vim com o objetivo de fazer um treino rápido e consegui andar mais rápido do que queria e até bati o meu recorde pessoal, que já tinha quatro anos", referiu.

Salientando correr com "mais frequência provas de 10 quilómetros", a atleta ‘leonina', afirmou que a prova, por isso, "correu bem".

"O meu objetivo hoje era fazer 01:19 ou 1:20 horas, pelo que tendo conseguido fazer 01:18 estou contente", justificou Susana Godinho, depois de uma prova que disse ser "bastante rápida" e num dia em que "o tempo também ajudou".


Atletas quenianos dominam 12.ª Meia Maratona do Porto

Os quenianos Mike Kiptum Boit, com 01:00:53 horas, e Susan Kipsang Jeptoo, com 01:11.06, venceram hoje as provas masculina e feminina da 12.ª Meia Maratona do Porto.

Em masculinos, a prova do Porto foi dominada pelos quenianos, que acabaram por preencher os primeiros quatro lugares, enquanto em femininos aquele país africano conseguiu também os dois primeiros lugares do pódio.

Luís Saraiva, do Sporting de Braga, foi o primeiro dos portugueses, no 13.º lugar, com 1:07.23 horas, menos dois segundos que José Moreira (Sporting) e 26 que João Almeida, que lhe sucederam na classificação.

Em femininos, Susana Godinho (Sporting), foi a melhor portuguesa, terminando no sétimo lugar, com o tempo de 1:18.47 horas, seguida de Andreia Cunha, com 1:23.55 horas e de Diana Almeida (Sporting), com 1:25.00.

O recorde da prova masculino foi estabelecido em 2011 por Zersenay Tadese (Eritreia) e é de 59.30 minutos, enquanto em femininos foi fixado em 2017 pela queniana Monica Jepkoech, com a marca de 01:09.23 horas.

Participaram na prova atletas dos cinco continentes, com África representada por 10 países, a Ásia com seis, a América com 11, a Europa com 22 e a Oceânia com um.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Girl Move Academy existe há quatro anos com o objetivo de criar uma geração de mulheres líderes. É um “movimento de capacitação e investimento da mulher”.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      A menos de 100 quilómetros da fronteira com a Síria, a cidade turca de Gaziantep é uma terra de tradições e sabores.

      Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.