Mundiais atletismo: Medalha de ouro dos 50 km masculinos "também é portuguesa"

| Atletismo

Yohann Diniz é tricampeão europeu e detém o recorde mundial de 50 quilómetros marcha.
|

Yohann Diniz, francês de ascendência portuguesa, foi o vencedor da medalha de ouro nos 50 quilómetros marcha masculinos em Londres, no campeonato do mundo de atletismo.

"Estou feliz por oferecer este título à França, mas também um pouco à minha família em Portugal, que me observa em Mirandela", revelou o atleta em declarações no final da prova.

Yohann Diniz é tricampeão europeu (2006, 2010 e 2014) e detém o recorde do mundo, com 3:32.33. Sagrou-se este domingo campeão mundial pela primeira vez, com o tempo de 3:33.11 horas, um novo recorde dos campeonatos.

Diniz, que é neto de um português, contou que recebeu uma mensagem de familiares que vivem em Trás-os-Montes."Também lhes quero dedicar esta vitória", declarou.

O atleta francês considerou este um "bom dia para França e Portugal" graças à vitória da portuguesa Inês Henriques nos 50 quilómetros femininos.

"Fico muito contente pela Inês, por ter conquistado o primeiro título de 50 quilómetros femininos", afirmou.

Já em 2014, quando o atleta francês se sagrou campeão europeu pela terceira vez consecutiva e bateu então o recorde do mundo nos 50 quilómetros marcha, cortou a meta com a bandeira portuguesa. Em declarações à RTP, Yohann Diniz dedicava a medalha a Portugal, a sua "segunda pátria".

Inês Henriques conquistou no domingo a medalha de ouro nos 50 quilómetros marcha dos Mundiais de atletismo, que decorrem em Londres. A agora campeã mundial é também detentora do novo recorde do mundo, de 4:05.56 horas.

c/ Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.