Mundiais atletismo: Medalha de ouro dos 50 km masculinos "também é portuguesa"

| Atletismo

Yohann Diniz é tricampeão europeu e detém o recorde mundial de 50 quilómetros marcha.
|

Yohann Diniz, francês de ascendência portuguesa, foi o vencedor da medalha de ouro nos 50 quilómetros marcha masculinos em Londres, no campeonato do mundo de atletismo.

"Estou feliz por oferecer este título à França, mas também um pouco à minha família em Portugal, que me observa em Mirandela", revelou o atleta em declarações no final da prova.

Yohann Diniz é tricampeão europeu (2006, 2010 e 2014) e detém o recorde do mundo, com 3:32.33. Sagrou-se este domingo campeão mundial pela primeira vez, com o tempo de 3:33.11 horas, um novo recorde dos campeonatos.

Diniz, que é neto de um português, contou que recebeu uma mensagem de familiares que vivem em Trás-os-Montes."Também lhes quero dedicar esta vitória", declarou.

O atleta francês considerou este um "bom dia para França e Portugal" graças à vitória da portuguesa Inês Henriques nos 50 quilómetros femininos.

"Fico muito contente pela Inês, por ter conquistado o primeiro título de 50 quilómetros femininos", afirmou.

Já em 2014, quando o atleta francês se sagrou campeão europeu pela terceira vez consecutiva e bateu então o recorde do mundo nos 50 quilómetros marcha, cortou a meta com a bandeira portuguesa. Em declarações à RTP, Yohann Diniz dedicava a medalha a Portugal, a sua "segunda pátria".

Inês Henriques conquistou no domingo a medalha de ouro nos 50 quilómetros marcha dos Mundiais de atletismo, que decorrem em Londres. A agora campeã mundial é também detentora do novo recorde do mundo, de 4:05.56 horas.

c/ Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.