BE afirma que o Porto "não está fantástico"

| Autárquicas 2017
BE afirma que o Porto não está fantástico

A ver: BE afirma que o Porto "não está fantástico"

João Teixeira Lopes garante que "se o Bloco de Esquerda tiver força na Câmara do Porto", os "ajustes diretos acabam". "Não há ajustes diretos para ninguém, a regra é a dos concursos e por conseguinte a da transparência".

Há "muita gente" que não está feliz com o rumo que o Porto tem seguido, argumenta o candidato do BE.

"Pergunto sempre ao sr Manuel Pizarro quando diz que o Porto está fantástico, está fantástico para quem?", referiu Teixeira Lopes.

Para muita gente "não está fantástico", porque "as rendas aumentaram, porque não há habitação".

A esse respeito, o BE quer "um projeto de habitação pública, porque isso é muito mais seguro", afirma Teixeira Lopes, propondo-se aproveitar os fundos da taxa turística para financiar a ideia, além dos impostos cobrados pela própria Câmara, ou o fundo criado pelo imposto "Mariana Mortágua".

Entre várias farpas lançadas ao candidato socialista Manuel Pizarro, Teixeira Lopes defendeu que "as casas devem ser construídas, antes de mais, com a garantia de que vão ser para as mil famílias que precisam delas e que estão no 'domus' social e que vão ser outras 1500 para rendas condicionadas rendas acessíveis", graças ao dinheiro público.

O Porto é a segunda maior cidade do país e o quarto maior município, com mais de 214 mil habitantes.

À presidência da Câmara da invicta concorrem ao todo nove candidatos que estiveram esta noite, pela primeira vez, frente a frente na Alfândega do Porto.

Durante hora e meia discutiram os problemas da autarquia e o futuro da cidade.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.