BE afirma que o Porto "não está fantástico"

| Autárquicas 2017
BE afirma que o Porto não está fantástico

A ver: BE afirma que o Porto "não está fantástico"

João Teixeira Lopes garante que "se o Bloco de Esquerda tiver força na Câmara do Porto", os "ajustes diretos acabam". "Não há ajustes diretos para ninguém, a regra é a dos concursos e por conseguinte a da transparência".

Há "muita gente" que não está feliz com o rumo que o Porto tem seguido, argumenta o candidato do BE.

"Pergunto sempre ao sr Manuel Pizarro quando diz que o Porto está fantástico, está fantástico para quem?", referiu Teixeira Lopes.

Para muita gente "não está fantástico", porque "as rendas aumentaram, porque não há habitação".

A esse respeito, o BE quer "um projeto de habitação pública, porque isso é muito mais seguro", afirma Teixeira Lopes, propondo-se aproveitar os fundos da taxa turística para financiar a ideia, além dos impostos cobrados pela própria Câmara, ou o fundo criado pelo imposto "Mariana Mortágua".

Entre várias farpas lançadas ao candidato socialista Manuel Pizarro, Teixeira Lopes defendeu que "as casas devem ser construídas, antes de mais, com a garantia de que vão ser para as mil famílias que precisam delas e que estão no 'domus' social e que vão ser outras 1500 para rendas condicionadas rendas acessíveis", graças ao dinheiro público.

O Porto é a segunda maior cidade do país e o quarto maior município, com mais de 214 mil habitantes.

À presidência da Câmara da invicta concorrem ao todo nove candidatos que estiveram esta noite, pela primeira vez, frente a frente na Alfândega do Porto.

Durante hora e meia discutiram os problemas da autarquia e o futuro da cidade.

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.