Jerónimo de Sousa considera que CDU faz falta em Vila Nova de Gaia

| Autárquicas 2017

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje que a CDU "é uma voz que faz falta à população de Vila Nova de Gaia", no dia em que surgiu a apoiar a candidatura de Mário David Soares.

Jerónimo de Sousa justificou a sua afirmação pelo facto de "o trabalho da CDU tanto ser valorizado em maiorias como em minorias", falando de uma candidatura cuja aposta é recuperar o vereador perdido na autarquia.

"Não havendo esta voz, os problemas, a necessidade de denúncia, de crítica e de proposta, a cidade ficará mais pobre", enfatizou o líder comunista, reclamando que "a batalha é para ser travada com confiança e que é possível recuperar o vereador".

Na sua intervenção no final do encontro com a população, o cabeça de lista Mário David Soares afirmou querer "transformar o concelho em algo para todos os gaienses".

"Gaia é um concelho rico na sua diversidade mas também muito desigual", acusou o candidato da CDU, reivindicando "políticas de coesão territorial, social e cultural" para Vila Nova de Gaia.

Recusando que este seja um "apêndice do Porto", mas um concelho "com identidade, que não quer crescer à custa do turismo", rotulou a "privatização das vistas do rio" como um dos malefícios do turismo no concelho, "prejudicando a sua população".

São candidatos à Câmara de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, o atual presidente da câmara Eduardo Vítor Rodrigues (PS), Cancela Moura (PSD/CDS-PP), Mário David Soares (CDU), Renato Soeiro (Bloco de Esquerda), Pedro Ribeiro de Castro (PAN) e Marisa Ribeiro (PTP).

O executivo da Câmara de Gaia é composto por cinco eleitos pelo PS, três eleitos pelo PSD/CDS-PP (a um dos quais a concelhia retirou, em 2013, a confiança política, depois de o autarca Eduardo Vítor lhe ter atribuído um pelouro) e três eleitos pelo movimento "Juntos por Gaia" (que logo após as eleições assinou um acordo de compromisso com o PS),

As eleições autárquicas estão marcadas para 01 de outubro.

Tópicos:

CDU, Câa, Gaia, Vítor,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.