GP Beiras: César Fonte surpreende em Seia e veste de amarelo

| Ciclismo

César Fonte veste de amarelo
|

O ciclista português César Fonte somou este sábado a mais importante vitória da sua carreira nos últimos anos, ao vencer a segunda etapa do Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela e dar a camisola amarela ao W52-FC Porto.

Com o objetivo inicial de trabalhar para o espanhol Gustavo Veloso, César Fonte acabou por se impor no final dos 193,9 quilómetros entre o Sabugal e Seia, e triunfou em 4:48.58 horas, à frente do compatriota Henrique Casimiro (Efapel) e do colombiano Sergio Higuita (Manzana-Postobón).

Contudo, apesar de ter seis segundos de avanço sobre o russo Dimitrii Strakhov (Lokosphinx), anterior líder, e nove sobre o português Joni Brandão (Sporting-Tavira), vencedor em 2016 da primeira edição da prova, César Fonte continua a pensar em nome da equipa.

"O objetivo da equipa é a W52-FC Porto vencer, tanto eu como o Gustavo (Veloso) e o Ricardo (Mestre) tínhamos liberdade para discutir a etapa e a geral. Senti-me bem e consegui levar a melhor. Estamos todos de parabéns", referiu César Fonte, que diz que o diretor desportivo Nuno Ribeiro é que vai decidir a estratégia para atacar a derradeira etapa.

Com os seis segundos de bonificação das duas metas volantes e os 10 da chegada à Guarda, deixam tudo em aberto para a derradeira etapa da prova beirã, em que apenas 16 segundos medeiam entre o líder e o 13.º classificado.

Os 166,5 quilómetros entre Gouveia e a Guarda, com passagem prevista -- se o tempo assim o permitir -- pela Torre e uma contagem de terceira categoria coincidente com a meta, prometem luta até final, com nomes como Gustavo Veloso, a 14 segundos, e Joni Brandão a surgirem entre os principais candidatos ao triunfo final.

A segunda etapa, apesar de montanhosa, foi corrida de forma intensa e em excelente ritmo, como provam os 40,261 km/hora de média, sem que, nos primeiros quilómetros, as principais deixassem sair qualquer fuga até à primeira meta volante, instalada em Penamacor.

Aí, Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista) passou na frente e somou três segundos de bonificação, mais um do que Joni Brandão e César Fonte.

Após esta primeira meta volante, um grupo de ciclistas conseguiu finalmente sair do pelotão, com o colombiano Yecid Sierra (Manzana Postobón) a isolar-se na frente da corrida, perseguido pelo português Bruno Silva (Efapel) e pelo brasileiro Nicolas Sessler (Burgos-BH).

O colombiano passou na frente as três primeiras de quatro contagens de montanha de segunda categoria e chegou a ter 5.42 minutos de avanço sobre o pelotão, mas acabou por ser apanhado ao quilómetro 155,5, antes da subida para Alvoco da Serra.

A partir daí, as principais equipas, com a norte-americana Rally Cycling em destaque, mas sem grande sucesso no final, levaram a corrida controlada até à meta, onde César Fonte voltou aos triunfos, naquele que será o mais importante da sua carreira desde a vitória numa etapa da Volta a Portugal em 2012.

Tópicos:

GP Beiras; W52; FCP,

Pesquise por: GP Beiras; W52; FCP,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.