Rui Oliveira em nono na terceira etapa da Volta a França do Futuro

| Ciclismo

O ciclista português Rui Oliveira terminou hoje a terceira etapa da Volta a França do Futuro na nona posição, na chegada a Châteaubriant, onde o norueguês Kristoffer Halvorsen triunfou.

No final da ligação de 138 quilómetros, entre Missillac e Châteaubriant, a etapa voltou a decidir-se ao 'sprint', com a vitória a recair sobre o campeão mundial de sub-23, Halvorsen, seguido do colombiano Álvaro José Hodeg, que já no sábado tinha terminado no segundo posto, e o britânico Christopher Lawless a fechar o pódio, todos com o mesmo tempo de 2:56.05 horas.

Durante a tirada, várias tentativas de fuga animaram a etapa, uma delas contendo Francisco Campos, numa escapada que não chegou a ter um minuto de vantagem sobre o pelotão.

Em cima da meta, Oliveira discutiu a etapa e terminou no 'top 10', com Tiago Antunes (44.º), Hugo Nunes (46.º), Francisco Campos (54.º), José Neves (75.º) e André Carvalho (123.º) a surgirem todos integrados no pelotão, sem perdas de tempo.

O dinamarquês Kasper Asgreen continua de camisola amarela vestida, com quatro segundos de vantagem sobre grande parte do pelotão, com Halvorsen em segundo e Hodeg em terceiro.

O melhor luso é Tiago Antunes, em 32.º, seguido de Hugo Nunes, 37.º, Rui Oliveira, 39.º, e Francisco Campos, em 104.º, todos a quatro segundos, enquanto José Neves, 118.º, e André Carvalho, 119.º, estão a 43 segundos de distância.

"Hoje corrigimos aspetos que não correram tão bem nos dias anteriores. Foi possível trabalhar em equipa para colocar o Rui para o 'sprint'", explicou o selecionador José Poeira, citado em comunicado.

Na segunda-feira, os ciclistas correm 166,6 quilómetros, entre Derval e Saumur, com nova chegada destinada aos homens mais rápidos do pelotão.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Com muito ou pouco orçamento, o mínimo que se exige é que as Forças Armadas saibam tomar conta de si.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.