Volta ao Algarve arranca com desfile de estrelas

| Ciclismo

A 44ª "Algarvia" dá a primeira pedalada em Albufeira
|

A 44ª Volta ao Algarve arranca esta quarta-feira com uma ligação entre Albufeira e Lagos e um pelotão de 175 ciclistas, entre os quais os vencedores de seis das últimas sete edições, que procuram suceder ao esloveno Primoz Roglic.

À partida para os primeiros 192,6 quilómetros da mais importante prova internacional em Portugal vão estar o britânico Geraint Thomas (Sky), vencedor em 2015 e 2016, o australiano Richie Porte (BMC), campeão em 2012, o alemão Tony Martin (Katusha-Alpecin), que conquistou a prova em 2011 e 2013, e o polaco Michael Kwiatkowski (Sky), vencedor em 2014.



A primeira etapa é propícia a um final em "sprint", apesar de os corredores terem de passar duas contagens de categoria, na Aldeia dos Matos (43,9 quilómetros) e na Eira da Cevada (84,6), mas ainda longe da meta.

Com a partida prevista para as 12h15, na Avenida das Descobertas, já depois de terem passado pela primeira dificuldade da prova, os corredores vão disputar em Loulé (69,6 quilómetros) a primeira meta volante.

A segunda meta volante está instalada aos 176,8 quilómetros, em Odiáxere, devendo os ciclistas chegar a Lagos, onde está instalada a meta, por volta das 17h00.

Ao contrário do que aconteceu em 2017, este ano a "Algarvia" não vai ter bonificações de segundos nem nas metas volantes nem na meta.



Cinco dias de competição intensa, num total de 773,5 quilómetros e a participação de 175 ciclistas em representação de 25 equipas.

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.