Cientistas inspiram-se no pelo de urso-polar para criar novo isolamento térmico

| Ciências

Inspirados nas propriedades isolantes do pelo dos ursos-polares, cientistas estão a desenvolver na China um novo isolamento térmico, com eventual aplicação na engenharia civil e aeroespacial, foi hoje divulgado.

O isolante é feito de carbono e apresenta-se sob a forma de milhões de tubos ocos, cada um equivalente a um fio de pelo, que são enrolados num bloco de aerogel do tamanho de esparguete.

O material, asseveram investigadores da Universidade de Ciência e Tecnologia da China, é mais leve e resistente ao calor do que outros componentes isolantes, sendo raramente afetado pela água.

Além disso, por comparação com os pelos dos ursos-polares, o novo material é mais flexível, potenciando o seu uso como isolamento na construção de casas e na indústria aeroespacial, defendem os autores de um artigo publicado hoje na revista científica Chem, do grupo Cell.

Os pelos dos ursos-polares, ao contrário dos das pessoas e de outros mamíferos, têm uma estrutura oca, cilíndrica e longa, permitindo-lhes evitar perdas de calor nas condições ambientais geladas e húmidas em que vivem, no círculo polar Ártico.

Para os cientistas, o próximo desafio será produzir o material à escala métrica para testar a sua aplicação prática.

Tópicos:

Ciência,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um dos nomes mais importantes da arte contemporânea está a preparar uma intervenção artística em Portugal. O criador chinês Ai Weiwei acredita que, no futuro, Hong Kong e Macau não vão ser controlados pela China.

Em entrevista à Antena 1 e ao Negócios, o secretário de Estado adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, diz que um entendimento à esquerda é mais natural.

    Começa a legislatura do Parlamento Europeu saído das últimas eleições. Conheça aqui os eurodeputados portugueses e as suas prioridades.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.