Esta noite há "chuva de estrelas"

| Ciências

|

Chegamos a agosto e, como habitualmente neste mês, a órbita do planeta Terra cruza os milhares de detritos deixados pela passagem do cometa Swift-Tuttle, atraindo centenas de grãos de poeira, originando as já tradicionais “chuva de estrelas” ou chuva de Perseidas.

Trata-se de um espetáculo celeste de rastos luminosos, oferecido no céu noturno, que consiste na entrada de pequenos meteoros atraídos pela gravidade terrestre e que, ao fazer a entrada na atmosfera terrestre, devido à fricção, se incendeiam antes de se desintegrarem.
De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, este domingo, entre as 21 horas e as 8 horas de segunda, será possível observar nos céus os rastos luminosos deixados por estas pequenas rochas espaciais que riscam a abóbada terrestre a uma velocidade média de entrada de cerca de 59 quilómetros por segundo.

Para quem gosta destes espetáculos noturnos, basta localizar a constelação de Perseus, que vai surgir no horizonte português por volta das 23 horas, e esperar pela chuva que promete maravilhar a vista com belos rastos de luz.

A Lua, que por vezes estraga a festa devido à sua luminosidade, estará esta noite na fase descendente de Lua Nova, o que vai favorecer a observação.

Uma noite que, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, terá poucas nuvens e será também propícia para a observação de outros astros, como Marte, Saturno e Júpiter.

Céu visível às 2h00 do dia 13 de agosto, em Lisboa, mostrando a constelação de Perseus. (Créditos: OAL)

A informação mais vista

+ Em Foco

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

    Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

      O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

        Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.