NASA anuncia astronautas para voos de teste de SpaceX Dragon e Starliner

| Ciências

|

A NASA apresentou esta sexta-feira, em conferência de imprensa transmitida na internet, os astronautas que vão tripular os primeiros voos de teste das missões Boeing CST-100 Starliner e SpaceX Crew Dragon.

Estes astronautas vão abrir uma nova era no voo espacial norte-americano, depois do encerramento das missões STS, levadas a cabo pelos veículos reutilizáveis Space-Shuttle (vaivém espacial).

A conferência visou elencar as tarefas da tripulação para os testes e as primeiras missões pós-certificação da Boeing e da SpaceX.

A presidir a esta apresentação esteve o administrador da NASA Jim Bridenstine. 
NASA recorre ao sector privado
Desde o encerramento dos programas STS (Space Transportation System), realizados pelos Space Shuttle em julho de 2011, os astronautas da NASA tinham de ir à boleia do programa espacial russo para chegar a Estação Espacial Internacional.

Uma medida provisória, feita com alguns constrangimentos políticos, visto que os norte-americanos tiveram de “engolir alguns sapos” para poderem continuar a viajar para o espaço.

Com elevados cortes nesta área e com a aposta por parte de empresas privadas no espaço, a NASA aproveitou a oportunidade de redução de custos e fornecimento de serviços para continuar a aposta espacial.

Surgem assim como parceiros empresas como a Boeing e a SpaceX, que apresentam projetos alternativos e conjunturais aos já existentes da agência espacial norte-americana.

Novos e fortes foguetões de transporte, alguns deles reutilizáveis, como é exemplo o Falcon 9, da empresa de Elon Musk.
Os nove astronautas
Sete homens e duas mulheres compõem as duas novas equipas comerciais da NASA.


Programas Boeing CST-100 Starliner e SpaceX Crew Dragon
Os astronautas apresentados esta sexta-feira vão ser os primeiros, à semelhança dos astronautas do programa Mercúrio, nos anos 60, a testar os veículos espaciais de uma nova era espacial norte americana: uma nova cápsula, a CTS-100 Starliner, que fará com que muitos recordem o programa Apollo, que levou o Homem à Lua, e um novo veículo de transporte, a Dragon X.


A cápsula da tripulação CST-100 Starliner (Crew Space Transportation) é um projeto espacial construído pela Boeing em colaboração com a Bigelow Aerospace como entrada para o programa CCDev (Commercial Crew Development) da NASA.

O principal objetivo deste veículo é transportar a tripulação para a Estação Espacial Internacional (EEI), bem como para estações espaciais privadas, como a proposta da Estação Espacial Comercial Bigelow.

Tal como a CTS-100 Starliner a Dragon (versão 2), é uma segunda alternativa da NASA para o transporte de astronautas para o espaço e é uma versão tripulada da nave espacial de transporte Dragon da Space X. A diferença entre a Dragon e a Starliner é que o veículo da empresa de Musk está preparada para aterrar, algo que a Starliner da Boeing fará à moda antiga através de amaragens e paraquedas.

A nova Dragon da Space x inclui ainda um novo sistema de propulsão, mais avançado, e enormes janelas que premitirão uma melhor observação do exterior.

O transporte comercial de ida e volta da estação espacial permitirá o uso ampliado da estação, mais tempo de pesquisa e oportunidades mais amplas de descoberta a bordo do laboratório em órbita. A EEI continua a ser fundamental para a NASA entender e superar os desafios do voos espaciais, principalmente de longa duração, necessárias para uma presença sustentável na Lua e missões mais profundas no sistema solar, incluindo Marte.

Tópicos:

Astronautas, Dragon, SpaceX, NASA,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

        Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.