Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Rafael Marchante - Reuters

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações

VEJA A INFOGRAFIA COM TODOS OS DADOS ATUALIZADOS DA SITUAÇÃO EM PORTUGAL. CLIQUE AQUI



21h25 - Marrocos ultrapassa 100.000 casos e metade foi registada desde agosto

Marrocos ultrapassou hoje os 100 mil casos de covid-19, atingindo 101.743 pessoas infetadas, sendo que mais de metade (54.105) dessas infeções foram registadas em apenas um mês, anunciou o Ministério da Saúde do país.

De acordo com o balanço diário do ministério, foram detetados, nas últimas 24 horas, 1.927 infetados e morreram 35 pessoas, elevando o número de óbitos para 1.830.

A epidemia em Marrocos tem-se agravado desde que começou o `desconfinamento`, em meados de julho: em agosto, o número de casos iniciou uma nova curva ascendente que ultrapassou os mil novos casos diários, passando para dois mil em setembro.

O ministro da Saúde marroquino, Khaled Ait Taleb, apontou na passada quinta-feira, durante uma comissão parlamentar, que 60% dos casos detetados desde o início da pandemia em Marrocos (em março) aconteceram desde agosto.

"A situação é preocupante, mas controlável. Não atingiu um nível caótico que ponha pressão nas nossas capacidades e no nosso sistema nacional de saúde", disse, no entanto, explicando que o país realiza 25 mil testes diários e tem 13.400 camas para casos de infeção por covid-19 espalhadas por todos os hospitais do país.

21h10 - Aulas do 1.º ciclo em escola de Lisboa suspensas "nos próximos dias"

As aulas do 1.º ciclo na escola pública das Laranjeiras, em Lisboa, foram suspensas, devido à falta de funcionários em número suficiente, já que um destes testou positivo para a covid-19.

De acordo com o Agrupamento de Escolas das Laranjeiras, numa nota enviada hoje ao final da tarde aos encarregados de educação dos alunos da Escola Básica1/Jardim de Infância (EB1/JI) das Laranjeiras, a que a Lusa teve acesso, "o 1.º ciclo da EB1/JI das Laranjeiras não vai poder abrir nos próximos dias".

"Esta situação deve-se ao facto de não haver assistentes operacionais (AO) em número suficiente, uma vez que uma AO testou positivo à covid-19 e em sequência outras três vão ser testadas e ficar em isolamento", lê-se na nota.

Segundo o agrupamento, "a situação vai sendo avaliada dia a dia". "Assim que tenhamos AO em número suficiente para abrir a escola, informá-lo-emos", garante o agrupamento.

Além de as aulas do 1.º ciclo ficarem suspensas, também "o serviço de CAF [Componente de Apoio à Família] para o 1º ciclo não vai poder funcionar".

20h47 - Italianos votam em eleições regionais em dois dias devido à pandemia



20h27 - Protestos contra regresso dos confinamentos na Europa



19h50 - Angola com mais cinco mortos e aproxima-se dos 4.000 infetados

As autoridades angolanas anunciaram hoje mais 90 casos de covid-19 e cinco mortes, com o total de infetados a aproximar-se dos 4.000.

Entre os novos casos, dois são de Cabinda e 88 de Luanda e as idades dos pacientes variam entre 3 e 89 anos, sendo 47 pessoas do sexo masculino e 43 feminino, detalhou o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.

Dois homens e três mulheres, sendo quatro angolanos e um eritreu, de 36, 45, 48, 58 e 79 anos morreram devido à doença, todos de Luanda.

Angola soma 3.991 casos de covid-19, dos quais 152 óbitos e 2.394 doentes na fase ativa, com um em estado crítico e 11 em estado grave, estando os restantes recuperados.

Os laboratórios processaram 1.493 amostras, num acumulado de 74.639 até à data, acrescentou Franco Mufinda.

19h35 - Cabo Verde com mais 71 infetados e um óbito em 24 horas

Cabo Verde diagnosticou mais 71 infetados pelo novo coronavírus e um óbito nas últimas 24 horas, elevando o total acumulado a 5.257 casos e 51 mortos devido à doença desde 19 de março, divulgou hoje o Ministério da Saúde.

Em comunicado, o ministério referiu que os laboratórios de virologia do arquipélago processaram 474 amostras desde sábado e 57 deram resultado positivo para o novo coronavírus no concelho da Praia, capital do país.

Ainda na ilha de Santiago, principal foco da doença no país, foram registados casos positivos de covid-19 nos concelhos de Santa Catarina (02), São Miguel (02) e São Domingos (01).

Foram igualmente diagnosticados casos da doença nas ilhas de São Vicente (03), Sal (03), Fogo (02) e Santo Antão (01).

No concelho de Santa Catarina, ilha de Santiago, registou-se uma morte por complicações associadas à covid-19. Em seis meses já morreram em Cabo Verde 51 pessoas devido à doença.

Nas últimas 24 horas foram ainda dados como recuperados da doença 18 casos, em todo o arquipélago.

18H45 - França com mais 10.569 casos

Os serviços de Saúde franceses registaram menos três mil casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus este domingo, relativamente a sábado.

Os números anunciados domingo são habitualmente inferiores aos dos dia anterioers devido ao encerramento dos laboratórios de testes durante o fim-de-semana.

Foram anunciados 10.569 novos casos de contágio, para um novo total de 453.763 desde o início da pandemia.

O número de mortos é agora de 31.585, mais 311 do que sábado.

Segundo as autoridades sanitárias francesas há 40 novos focos de contágio no país, elevando o total para 1.045.

17h50 - PCP propõe lei para apoio direto a trabalhadores da Cultura

O PCP entregou um projeto de lei na Assembleia da República que prevê três modalidades de apoio direto aos trabalhadores e de emergência a entidades do setor da Cultura, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o grupo parlamentar do PCP justifica estas medidas com o argumento de que o programa de estabilização económica e social, de resposta à crise da pandemia de covid-19, do Governo, continua "a excluir um grande número de trabalhadores das artes e da cultura, encontrando-se muitos numa situação financeira verdadeiramente dramática".

O projeto comunista prevê três tipos de apoio.

A primeira modalidade é de apoio direto aos "trabalhadores da cultura desempenhando profissões de natureza estritamente artística, técnico-artística ou de mediação", a segunda é de "apoio de emergência às entidades que exerçam atividades artístico-culturais de caráter profissional, mediante comprovação do adiamento, cancelamento ou paragem total de atividade".

Há ainda um terceiro tipo de apoio, para a adoção de "medidas de contingência, prevenção do contágio e adaptação funcional".

17h30 - Itália regista 1.587 novos casos nas últimas 24 horas

Itália registou 1.587 novos contágios com coronavírus nas últimas 24 horas, aumentando o total de casos para 298.156 desde o início da pandemia, informou hoje o Ministério da Saúde local.

Neste domingo registaram-se mais 15 mortos, aumentando o total de óbitos por covid-19 para 35.707, de acordo com a mesma fonte.

A região mais afetada pela pandemia continua a ser a Lombardia, seguindo-se Veneto, Campânia e Lácio, onde fica a capital, Roma.

Itália, que decretou o estado de emergência a 21 de fevereiro, é o segundo país europeu mais afetado pela pandemia de covid-19, depois do Reino Unido.

16h10 - Menos contágios no Reino Unido

Reino Unido anuncia mais 3.899 casos de infeção por SARS-CoV-2, menos 500 do que sábado, quando se registaram 4.422 novos contágios.

Deram-se ainda mais 18 mortes.

O Governo britânico pondera avançar com restrições sociais ou confinamentos nos próximos dias, disse o ministro da Saúde do país.

Matt Hancock disse hoje à BBC que abordou, este fim de semana, com o presidente da câmara da capital, que tipo de medidas seriam necessárias para conter a propagação no novo coronavírus.

15h00 - Milhares denunciam descriminação em Madrid

Milhares de habitantes da capital espanhola saíram à rua contra a discriminação de que se sentem alvo, devido ao novo confinamento que irá ser imposto aos seus bairros, para conter a disseminação do vírus SARS-CoV-2.

A partir de segunda-feira entram em vigor novas limitações severas à liberdade de movimentos em vários bairros de Madrid, destinadas a tentar conter a segunda vaga da pandemia.

As novas quarentenas vão ser aplicadas predominantemente em áreas de baixo rendimento e com taxas elevadas de população migrante. Os manifestantes, que protestaram em 12 dos 37 bairros abrangidos, dizem que estão a ser atingidos por serem mais pobres.

Exigem igualmente maiores medidas de controlo sanitário generalistas que impeçam este tipo de confinamento.

Os habitantes das zonas abrangidas, cerca de 850 mil pessoas, o equivalente a 13% da população regional, não poderão sair do seu bairro excepto para ir trabalhar, ir ao médico ou levar os filhos à escola.

Poderão circular livremente apenas dentro do seu bairro. A entrada nesses mesmo bairros, excepto por razões de primeira necessidade, será proibida.

Anunciadas sexta-feira, as medidas estarão em vigor ao longo de, pelo menos, duas semanas.

14h20 - Número de mortos em África sobe para quase 34 mil

O número de mortos em África devido à covid-19 subiu para 33.818 nas últimas 24 horas, após o registo de mais 192 vítimas mortais, com as infeções a atingirem os 1.399.186, segundo dados oficiais.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nas últimas 24 horas registaram-se, nos 55 Estados-membros da organização, mais 8.626 casos de infeção.

Os recuperados são agora de 1.148.578, após o registo de mais 7.598 desde sábado.

A África Austral continua a registar o maior número de casos e mortos: 17.122 mortos e 717.048 casos. A África do Sul, o país mais afetado do continente, contabiliza agora 659.656 casos e 15.940 mortos.

O norte de África, a segunda zona mais afetada pela pandemia, tem agora 295.072 pessoas infetadas e 9.941 mortos e na África Ocidental o número de infeções é de 171.640, com 2.562 vítimas mortais.

A região da África Oriental tem 158.507 casos e 3.125 mortos, enquanto na África Central estão contabilizados 56.919 casos e 1.068 óbitos.

O Egito, que é o segundo país africano com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, regista 5.750 mortos e 101.900 infetados e Marrocos contabiliza 1.795 mortos e 99.816 casos. A Argélia surge logo a seguir, tendo agora 1.665 mortos e 49.626 casos.

Nos seis países mais afetados estão também a Nigéria, com 57.145 infetados e 1.095 mortos, e a Etiópia, com 68.131 infetados e 1.089 mortos.

14h08 - Portugal com mais 552 casos e 13 óbitos

Nas últimas 24 horas, Portugal contabilizou 552 novos casos de Covid-19, 13 óbitos e 192 recuperados.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, dez dos óbitos foram registados em Lisboa e Vale do Tejo e três na região Norte.

A maioria dos novos casos foram registados no norte do país (273), seguido de Lisboa e Vale do Tejo, com mais 179 infeções, 35 no Alentejo, 33 no Algarve e 29 no centro.

Portugal conta agora com 511 doentes internados (mais 14 do que no dia anterior), dos quais 63 nos cuidados intensivos (menos um do que no sábado).

Há ainda a registar mais 347 casos ativos, para um total de 21.069.

Desde o início da pandemia, Portugal contabiliza 68.577 casos confirmados, 1.912 óbitos e 45.596 recuperados.

14h02 - Açores com dois novos e uma recuperação em São Miguel

As 1.219 análises realizadas nas últimas 24 horas nos Açores revelaram dois novos casos positivos de covid-19 e uma recuperação em São Miguel, informa a Autoridade de Saúde Regional.

Um dos casos é de um homem de 24 anos, “residente na região, contacto próximo de alto risco com um caso positivo, seu coabitante, que, cumprindo isolamento profilático, obteve resultado negativo no teste realizado no início do seu isolamento e resultado positivo no novo teste efetuado no fim dos 14 dias”, refere o comunicado diário.

O outro diz respeito a uma mulher de 25 anos, “que desembarcou na região a 19 de setembro, proveniente de ligação aérea com o território continental, e que obteve resultado positivo no teste de despisto ao vírus SARS-CoV-2 realizado à chegada”.

Os dois casos detetados hoje em São Miguel “apresentam situação clínica estável e foram já diligenciados, pelas Delegações de Saúde Concelhias, os procedimentos definidos para caso confirmado, testagem e vigilância de contactos próximos, bem como todos os inerentes ao aprofundamento da investigação epidemiológica”, garante a Autoridade de Saúde Regional.

Há ainda a registar a recuperação de um homem de 42 anos, na ilha de São Miguel.

Desde o início do surto, registaram-se nos Açores 264 casos de infeção pelo novo coronavírus, sendo que 45 mantêm-se ativos.

Dos 45 casos ativos, 35 estão na ilha de São Miguel, sete na ilha Terceira, dois na ilha do Pico e um na ilha Graciosa.

13h30 - Convenção do Chega. GNR fiscaliza regras de prevenção da covid-19 e faz "algumas" identificações

A GNR identificou hoje "algumas" pessoas que participam na II Convenção Nacional do Chega, em Évora, por estarem sem máscara na sala onde decorrem os trabalhos, disse à agência Lusa a força de segurança.

Contactada pela Lusa, fonte do Comando Territorial de Évora da GNR revelou que estão presentes no evento "militares, em colaboração com a organização, para que sejam cumpridas as normas" de prevenção e controlo da covid-19 "decorrentes da Direção-Geral da Saúde".

"Os militares da GNR estão no terreno", no espaço onde decorre II Convenção Nacional do partido liderado por André Ventura, limitou-se a acrescentar a mesma fonte, remetendo para mais tarde a divulgação de resultados da ação.

No exterior da tenda onde decorre a iniciativa partidária, perto da entrada, a Lusa observou três militares da GNR à paisana, com as respetivas máscaras na cara contra a doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Outra fonte da GNR contactada pela Lusa confirmou que "foram feitas algumas identificações" de participantes na Convenção Nacional do Chega, as quais "podem resultar em contraordenações"

Um dos seguranças contratados pela organização disse à Lusa, por sua vez, ter visto militares da Guarda à paisana no interior do espaço, que "levaram algumas pessoas que estavam sem máscara lá para fora e multaram-nas".

Logo de manhã, antes desta ação de fiscalização policial ter tido lugar, já com os participantes sentados nas cadeiras, a organização alertou logo as pessoas para que colocassem as máscaras e tivessem atenção ao distanciamento social.

13h15 - Quase 958 mil mortos e 30,8 milhões de infetados em todo o mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a quase 958 mil pessoas e infetou mais de 30,8 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, hoje às 11:00 TMG (12:00 em Lisboa), 957.948 pessoas morreram em todo o mundo e 30.849.800 foram infetadas, das quais pelo menos 20.871.300 já estão recuperadas.

O número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções. Alguns países testam apenas casos graves, outros priorizam o teste de rastreamento e muitos países pobres têm capacidade limitada de teste.

No sábado, 5.089 novos óbitos e 291.505 novos casos foram registados em todo o mundo.

Os países que registaram o maior número de novas mortes no seus relatórios recentes são a Índia com 1.133 novas mortes, os Estados Unidos (786) e o Brasil (739).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 199.268 mortes para 6.766.631 casos registados, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins. Pelo menos 2.577.446 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 136.532 mortes para 4.528.240 casos, a Índia com 86.752 mortes (5.400.619 casos), o México com 73.258 mortes (694.121 casos) e o Reino Unido com 41.759 mortes (390.358 casos).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 95 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Bélgica (86), Espanha (65), Bolívia (65) e Brasil (64).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) contabilizou oficialmente um total de 85.279 casos (10 novos entre sábado e domingo), incluindo 4.634 mortes e 80.477 recuperações.

A América Latina e as Caraibas totalizaram até às 12 horas de hoje 322.661 mortes para 8.709.926 casos, a Europa 225.223 mortes (4.825.798 casos), Estados Unidos e Canadá 208.518 mortes (6.909.376 casos), a Ásia 124.713 mortes (7.183.805 casos), o Médio Oriente 42.093 mortes (1.788.575 casos), a África 33.829 mortes (1.401.274 casos) e Oceânia 911 mortes (31.053 casos).

13h00 - Mais de um milhão descarregarram StayAway Covid

A aplicação de rastreio StayAway Covid já foi descarregada por mais de um milhão de pessoas, 19 dias após o lançamento, anunciou o administrador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência.

Ouvido pela agência Lusa, Rui Oliveira avançou que a aplicação contabilizava este domingo um total de 1.030.824 downloads nos sistemas operativos iOS e Android.

"Estamos muito satisfeitos, ainda que não esteja propriamente surpreendido. A aplicação é uma ajuda à população portuguesa, mas ainda faltam os restantes cinco milhões de portugueses [que têm smartphones]", afirmou.

A aplicação móvel, lançada a 1 de setembro, permite rastrear, de forma rápida e anónima e através da proximidade física entre smartphones, as redes de contágio por Covid-19, informando os utilizadores que estiveram, nos últimos 14 dias, no mesmo espaço de alguém infetado com o novo coronavírus.

A instalação é voluntária.

12h21 - Autarca de Ourique faz ponto de situação sobre surto

Ouvido pela reportagem da RTP no local, o presidente da Câmara Municipal de Ourique deu conta dos últimos dados sobre o surto declarado num lar do município.

Marcelo Guerreiro falou das diligências entretanto adotadas pela autarquia para apoiar as famílias atingidas pelo surto, a começar por um serviço social que garanta, por exemplo, o fornecimento de bens alimentares, tendo em conta as situações de confinamento.
Há nesta altura 43 infeções confirmadas em Ourique e estão a decorrer testes em diferentes pontos do município.

11h57 - Loures sem festejos de Carnaval em 2021

A Associação do Carnaval de Loures optou por suprimir os festejos carnavalescos de 2021, tendo em vista prevenir a propagação da Covid-19, além da noite de fados prevista para 7 de novembro.

Medidas semelhantes foram já tomadas para os corsos carnavalescos de Estarreja, Ovar, Mealhada, Figueira da Foz e Torres Vedras.

Em comunicado, a Associação do Carnaval de Loures apela à "melhor compreensão" pelos "transtornos eventualmente causados, salientando que a presente decisão tem a finalidade única de evitar riscos para a saúde pública e acautelar, acima de tudo, o bem-estar e a segurança de todos".

 11h47 - "Ponto crítico" no Reino Unido

O Reino Unido está a viver uma fase crítica na evolução da pandemia da Covid-19, afirma o ministro britânico da Saúde, Matt Hancock, que alerta ainda para uma rápida propagação do SARS-CoV-2, caso as populações não respeitem as regras definidas pelas autoridades. O que levará a restrições agravadas.

"A nação enfrenta um ponto crítico e temos uma escolha. A escolha é entre toda a gente cumprir as regras ou termos de enfrentar mais medidas", avisa o governante.

Por sua vez, o líder da oposição trabalhista, Keir Starmer, saiu em apoio da aplicação de multas por incumprimento do auto-confinamento.

"Há algumas pessoas que estão a quebrar as regras e tem de se fazer qualquer coisa. Devo dizer que penso que isto não será uma bala de prata, que não vai resolver o problema em que estamos", afirmou Starmer.

"Temos taxas de infeção a aumentar. Penso que todo o país está preocupado com isso, mas temos um sistema de testes que, num momento em que precisamos que seja eficaz, é quase inoperante e isto é um grande problema", acrescentou.

11h20 - Jornadas Europeias do Património com maior segurança sanitária

As Jornadas Europeias do Património, que vão decorrer de 25 a 27 de setembro, com tema "Património e Educação", somam já cerca de 500 propostas. Há uma preocupação comum: a segurança sanitária; muitas ficam-se pelo registo online.

Até às 0h00 deste domingo, havia 467 propostas registadas, entre visitas orientadas e mostras virtuais por todo o território do país, do distrito de Viana do Castelo ao de Faro, Funchal, na Madeira, e Ponta Delgada, nos Açores.

Iniciativa conjunta do Conselho da Europa e da Comissão Europeia, as Jornadas Europeias do Patrimónia reúnem mais de meia centena de países e dezenas de milhares de atividades.

O objetivo é valorizar o património comum da Europa, promovendo ao mesmo tempo a sua proteção.

10h22 - Ponto de situação em Vimioso

Em declarações à reportagem da RTP no local, o presidente da Câmara Municipal de Vimioso, Jorge Fidalgo Martins, confirma que o surto de Covid-19 no lar de Carção causou duas mortes.
Estão nesta altura internados no Hospital de Bragança dois utentes da instituição, onde permanecem outros 27 infetados pelo novo coronavírus. 

Testaram também positivo para o SARS-CoV-2 nove funcionários do lar.

10h12 - Mais de seis mil casos em 24 horas na Rússia

Pelo segundo dia consecutivo, a Rússia reporta mais de seis mil casos confirmados de infeção pelo SARS-CoV-2.

Segundo as autoridades sanitárias russas, entre sábado e domingo o número de infeções cresceu em 6148, para um total de 1.103.399 desde o início da pandemia.

Morreram, em 24 horas, mais 79 pessoas. O total de mortes é agora de 19.418.

10h05 - Alemanha reporta novos números

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus na Alemanha aumentou, nas últimas 24 horas, em 1345, para um total de 271.415 registados desde o início da pandemia.

Ainda segundo a contagem do Instituto Robert Koch para doenças infecciosas, foram registadas mais duas mortes desde sábado. O total de casos mortais da Covid-19 em território alemão é agora de 9386.

9h21 - Governo aumenta verba para projetos de combate à Covid-19

São 174 milhões de euros, cinco vezes mais do que o previsto.
O anúncio foi feito pela ministra da Coesão Territorial em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios.

9h19 - Pandemia em África. É cedo para explicar evolução "menos maléfica"

Em declarações à agência Lusa, a alta comissária para a Covid-19 na Guiné-Bissau, Magda Robalo, considera que ainda é cedo para avançar com teorias que expliquem a evolução "menos maléfica" da Covid-19 em África. O que não significa que esta não deva ser estudada.

"Eu penso que ainda vamos muito cedo na definição das diferentes teorias que possam explicar a evolução menos maléfica do vírus no Continente Africano", afirma Magda Robalo, que está também à frentedao Comité de Ética e Governação do Fundo Global da Luta Contra a Sida, Tuberculose e Malária.

Magda Robalo diz que o "cenário catastrófico" inicialmente aventado pela Organização Mundial da Saúde foi "perfeitamente normal". Isto por causa dos acontecimentos na Europa e nos Estados Unidos, mas também devido à epidemia de Ébola, que ocorreu entre 2014 e 2016, e às "fragilidades dos sistemas de saúde dos países africanos".

"Portanto, as previsões que foram feitas não foram previsões que não tivessem uma base de sustentação que não fosse sólida. As previsões tinham razão de ser".

"Depois de nove meses de evolução da pandemia, tendo em conta os números que nós agora conhecemos tanto de casos, como de óbitos no Continente Africano, e apesar de todas as insuficiências dos nossos sistemas de informação sanitária, que sabemos que não captam todos os casos e óbitos, apesar das nossas dificuldades em termos de laboratório para diagnóstico, as previsões estão, felizmente, muito aquém daquilo que se esperava", aponta a responsável.

8h55 - Bélgica ultrapassa marca dos 100 mil casos

A Bélgica transpôs este domingo a barreira dos 100 mil casos de infeção pelo novo coronavírus, após uma aceleração de testes positivos nas últimas semanas.

O país de 11,5 milhões de habitantes regista 100.748 casos de Covid-19 e 9944 mortes.

A Bélgica figura, juntamente com a Espanha e a Suécia, em particular, no grupo dos Estados europeus com mais contágios.

No fim de semana tinha cerca de 8600 casos por milhão de habitantes, em comparação com 6800 em França.

8h30 - Voluntário brasileiro na segunda fase de testes de vacina chinesa

No Brasil, milhares de voluntários estão desde julho a testar as vacinas chinesa e inglesa para a Covid-19. Estes voluntários trabalham na linha da frente contra o coronavírus, com alto risco de contaminação.
Pedro Sá Guerra, correspondente da RTP no Brasil

A RTP acompanhou um fisioterapeuta que já concluiu a segunda fase dos ensaios da vacina chinesa.

8h14 - Constantino Sakellarides admite que país esteja no início de segunda vaga

O antigo diretor-geral da Saúde Constantino Sakellarides considera provável que o país esteja a enfrentar uma nova onda epidémica.
O presidente da Associação Portuguesa de Médicos também olha com preocupação para os números e avisa que é importante antecipar as medidas de combate previstas para o inverno.

8h00 - Multas pesadas no Reino Unido para quem ignorar regras

Os britânicos que não respeitem o confinamento em caso de infeção pelo SARS-CoV-2 estão arriscam uma multa que pode atingir as dez mil libras, o equivalente a 11 mil euros, anunciou ontem o Governo do Reino Unido.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, apresentou no sábado novas restrições para os habitantes das regiões do norte, noroeste e centro de Inglaterra, zonas mais afetadas pela doença.

Entre outras medidas, foi decretada uma obrigação legal de auto-confinamento, a partir de 28 de setembro, para pessoas que tenham testado positivo para o novo coronavírus ou a quem o Serviço Nacional de Saúde ordenar que o faça.

"A melhor maneira de combater o vírus é que cada um siga as regras e que as pessoas em risco de transmitir a doença se isolem", sustenta Boris Johnson em comunicado.

7h56 - Estados Unidos com 778 mortos e 41.661 casos em 24 horas

Os Estados Unidos registaram 778 mortes causadas pela Covid-19 e 41.661 infetados em 24 horas, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Desde o início da pandemia, a maior potência mundial contabilizou 199.255 óbitos e 6.764.198 casos.

Nova Iorque já não é o Estado com o maior número de infeções, mas continua a ser aquele que acumula mais mortes (33.081), um número superior ao de países como França ou Espanha.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos e também com mais casos de infeção confirmados.

7h51 - Índia soma 1133 mortos e mais de 92 mil casos

As autoridades de saúde da Índia registaram 1133 mortes causadas pela Covid-19 nas últimas 24 horas e 92.605 novos casos.

Desde o início da pandemia, o país reportou mais de 5,4 milhões de infeções, que resultaram em 86.752 óbitos.

Por outro lado, a Índia tem também o maior número de doentes recuperados em todo o mundo, com uma taxa de recuperação de cerca de 80 por cento, indicam os dados da universidade norte-americana Johns Hopkins.

7h15 - Ponto de situação

O surto de Covid-19 num lar de Vimioso, em Bragança, fez no sábado a segunda vítima moral. Há 36 casos entre utentes e funcionários.

Em Ourique, o surto que também atingiu um lar propagou-se a familiares de utentes e profissionais de saúde. Já são 43 os infetados pelo novo coronavírus.
Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, divulgado ao início da tarde de sábado, o país registou o número mais elevado de novos casos de Covid-19 desde o último pico, a 10 de abril.

Foram reportados mais 849 casos de infeção pelo SARS-CoV-2. O total, desde o início da pandemia, é agora de 68.025.

Entre sexta-feira e sábado morreram mais cinco pessoas vítimas da Covid-19, para um total de 1899 óbitos.

Há mais 32 doentes internados e mais sete em unidades de cuidados intensivos.
O quadro internacional
A pandemia da Covid-19 já causou pelo menos 953.025 mortes e mais de 30,5 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, de acordo com o balanço em permanente atualização por parte da agência France Presse.

A Covid-19 é causada por um novo coronavírus, o SARS-CoV-2, identificado no final de dezembro de 2019 em Wuhan, no centro da China.
Após a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia, em fevereiro deste ano, o Continente Americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Só o México registou 455 mortes e 5167 contágios em 24 horas, adiantaram no sábado as autoridades sanitárias daquele país.

Desde o início da pandemia, o país acumula 694.121 casos da doença, que resultaram em 73.258 mortos.

O Ministério mexicano da Saúde adianta que 81.424 casos suspeitos aguardam os resultados dos testes efetuados.

A Covid-19 é já a quarta causa de morte em solo mexicano, depois das doenças cardíacas, da diabetes e do cancro, segundo o Instituto de Estatística e Geografia.

O México é o sétimo país com o maior número de infeções e o quarto em óbitos, atrás de Estados Unidos, Brasil e Índia.