Covid-19. Von der Leyen admite discussão sobre vacinação obrigatória na UE

por Lusa
Ints Kalnins - Reuters

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, admitiu hoje um debate na União Europeia sobre vacinação obrigatória anticovid-19, quando 150 milhões de pessoas não estão vacinadas e já mais de cinco milhões morreram devido à doença.

"Primeiro que tudo, esta é uma competência dos Estados-membros, portanto, não me cabe a mim dar qualquer tipo de recomendação, mas se me perguntam qual é a minha posição pessoal, eu há dois ou três anos nunca teria pensado em testemunhar o que vemos neste momento em que temos esta horrível pandemia", afirmou a líder do executivo comunitário.

Falando em conferência de imprensa, em Bruxelas, no dia em que a instituição apresentou uma comunicação para coordenação na UE face à altamente mutante Ómicron, a responsável retratou: "Temos as vacinas, as vacinas que salvam vidas, mas não estão a ser usadas adequadamente".

Aludindo aos dados mais atuais, Ursula von der Leyen referiu que 77% dos adultos na UE e 66% da população total do espaço comunitário tem a vacinação completa, o que significa que "um terço da população europeia não está vacinada, o equivalente a 150 milhões de pessoas".

"Isto é muito e nem todos podem ser vacinados -- como crianças muito pequenas, por exemplo, ou pessoas com condições médicas especiais --, mas a grande maioria poderia e, portanto, penso que é compreensível e apropriado liderar esta discussão agora, de como podemos encorajar e pensar potencialmente na vacinação obrigatória dentro da UE", assinalou a presidente da Comissão Europeia.

"Isto precisa de uma abordagem comum, mas é uma discussão que eu penso que tem de ser conduzida", insistiu Ursula von der Leyen, aludindo ao "enorme custo para a saúde" da covid-19.

Ainda falando à imprensa, a responsável indicou que a UE já passou a barreira dos 250 milhões de casos de infeção e das cinco milhões de mortes devido à doença, causada pelo SARS-CoV-2.

Ursula von der Leyen falou num "cenário já bastante difícil" dificultado pela variante Ómicron, adiantando que esta é uma "guerra contra o tempo".

A Comissão Europeia pediu hoje aos Estados-membros da UE para avançarem com "restrições específicas" e às viagens de zonas arriscadas para conter a variante Ómicron, solicitando ainda campanhas para os não vacinados e doses de reforço.

Numa comunicação hoje publicada, a Comissão Europeia exorta os Estados-membros a "intensificar a vacinação, à rápida administração de reforços, à vigilância e à reação rápida face à variante Ómicron".

"O aumento em casos de doença grave, especialmente entre os não vacinados, resultou numa enorme pressão sobre os hospitais e sobre o pessoal de saúde já sobrecarregado", retrata o executivo comunitário.

Por isso, a instituição pede que os Estados-membros da UE -- sobre os quais recai as competência na área da saúde -- tenham uma ação coordenada, que passa por "levar a cabo campanhas renovadas para atingir as pessoas não vacinadas em todos os grupos etários elegíveis, com estratégias nacionais específicas para lidar com a hesitação de vacinas".

Os países devem, também, "aplicar rapidamente doses de reforço para manter níveis fortes de proteção contra o vírus, incluindo a variante Ómicron, a começar pelos grupos mais vulneráveis", bem como "pôr em prática precauções e restrições específicas e proporcionadas para limitar a propagação do vírus", argumenta Bruxelas.

"Deve ser assegurada uma coordenação total da UE. O aparecimento da variante Ómicron significa que deve ser dada particular atenção à aplicação e comunicação de medidas específicas sobre contactos durante o período de fim de ano", avisa a Comissão Europeia, numa alusão à época natalícia.

Dados divulgados na terça-feira revelam que já existem 44 casos da variante Ómicron na UE, todos com historial de viagem para países da África Austral.

Tópicos
pub