Artista brasileiro Kobra participa em maio no Muro-Festival de Arte Urbana de Lisboa

| Cultura

O artista brasileiro Kobra, que começou no `graffiti` e é o responsável pelo maior mural do mundo, estará em Lisboa em maio para participar no Muro - Festival de Arte Urbana de Lisboa, foi hoje anunciado.

Este ano, a curadoria do festival divide-se entre artistas nacionais -- Godmess, Hazul, Kruella D`Enfer, Miguel Brum e LS (AK Crew) -, artistas de outros países latino-americanos -- Gleo (Colombia), Kobra (Brasil), Steep (Equador), Zesar Bahamonte (Espanha) e Cix Murge (México), e "vencedores de cinco concursos lançados para a conceção e realização de cinco intervenções artísticas em empenas" -- Alecrim (Portugal), Coletivo Medianeras (Argentina), Jhon Douglas (Brasil), Krammer (Brasil) e The Caver (Portugal), refere a Galeria de Arte Urbana (GAU) da Câmara de Lisboa, num comunicado hoje divulgado.

A programação do festival, que decorre de 25 a 28 de maio, em Marvila, inclui, além das intervenções, visitas guiadas, `workshops` de arte urbana, concertos, debates, aulas de `skate`, encontros de hip-hop e exposições de arte urbana e de fotografia, "em quatro dias de festa e celebração entre a comunidade da arte urbana, a população de Marvila e da cidade, e os seus visitantes".

Ao longo dos quatro dias serão realizadas 15 pinturas de grande escala, em edifícios situados na zona envolvente da biblioteca de Marvila, às quais "se juntam outras superfícies noutros suportes que, no total do Festival, perfazem uma área de intervenção artística de quatro mil metros quadrados".

A GAU convidou ainda o artista venezuelano FLIX a realizar uma residência artística de um mês em Marvila, "onde desenvolverá um projeto `site-specific` num conjunto de suportes diversificados no território, destinado sobretudo ao envolvimento da população juvenil destes bairros".

A primeira edição do festival realizou-se no ano passado no Bairro Padre Cruz. E, tal como aconteceu em 2016, a GAU acredita que o Muro "possibilitará a criação de um novo e importante núcleo de obras de arte urbana numa zona periferia da cidade, o que responde positivamente à preocupação de descentralização".

Nas paredes do Bairro Padre Cruz surgiram obras de artistas como os espanhóis Aryz e Borondo, os portugueses Pariz One, Bordalo II, Mr.Dheo, Uber, Draw, Nomen, Tamara Alves e Mário Belém, o francês Mathieu Trembelin e a dupla holandesa Telmo e Miel. Entretanto, foram criadas visitas guiadas às obras.

O Muro é organizado pela GAU em parceria com a GEBALIS e a Junta de Freguesia de Marvila e está incluído na programação da Capital Ibero Americana da Cultura -- Lisboa 2017.

Tópicos:

Aryz, Brum, Caver, Cix Murge México, Padre Cruz, Telmo Miel, Urbana GAU,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.