Contrato-programa do Teatro Nacional São João assinado a "curto-prazo" -- presidente

| Cultura

O contrato-programa do Teatro Nacional São João será assinado a "muito curto prazo", afirmou à Lusa o novo presidente do conselho de administração, Pedro Sobrado.

Sem querer adiantar detalhes, Sobrado, cuja equipa de administração entrou em funções esta semana, disse que tem conhecimento dos termos do contrato-programa, que classificou como uma "boa notícia", usando as mesmas palavras da sua antecessora, em dezembro.

"Foi negociado, os termos estão no limiar da finalização. A muito curto prazo ele será assinado. Está mesmo numa fase de finalização", afirmou o novo presidente do conselho de administração da instituição que gere também o Teatro Carlos Alberto e o Mosteiro de São Bento da Vitória, no Porto.

Na apresentação da programação do primeiro trimestre de 2018, em dezembro, a anterior presidente do conselho de administração, Francisca Carneiro Fernandes, mencionou o "processo difícil, mas positivo e produtivo" de construção dos novos contratos-programa, em que ficou consagrada a estratégia e o espaço para que os teatros tivessem "uma palavra a dizer".

Com o aumento da indemnização compensatória do Estado, para 2018, que regressou aos 4,9 milhões de euros de 2010, a primeira condição é poder, "a muito breve trecho, compensar financeiramente" a equipa e conseguir o seu reforço.

"A partir de 2018 vamos ter um contrato-programa, que a equipa do secretário de Estado [da Cultura] finalmente conseguiu, bastante mais certeiro e concreto em termos de instruções dadas pela tutela, sobre as orientações que temos de seguir, e algumas garantias por que vínhamos a lutar", apontou a então presidente, que garantiu que o novo documento, que vigorará por três anos é, como reforçou, "uma boa notícia".

Na altura, o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, disse que os contratos-programa plurianuais para os teatros nacionais entrarão em vigor "no início de 2018" e vão permitir "um `recentramento` da missão na criação teatral".

"Terão início da sua vigência em 2018, e estamos a finalizar a sua versão definitiva com o Ministério das Finanças", afirmou à Lusa, destacando o processo "bastante intenso e alargado" no tempo, embora não exista ainda "previsão definitiva da assinatura".

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.