Diretor da companhia de bailado de Nova Iorque retira-se após denúncias de assédio sexual

| Cultura

O diretor da companhia de bailado de Nova Iorque vai reformar-se na sequência de denúncias de assédio sexual e abusos verbais e físicos, noticiou o jornal New York Times.

Peter Martins, de 71 anos, foi acusado por duas dezenas de bailarinos de abusos verbais e físicos.

O responsável foi também acusado de ter usado a sua autoridade para obter favores sexuais.

Martins está ligado ao New York City Ballet desde 1967, primeiro como bailarino e, a partir de 1983, através de várias funções de direção. Em 1989, passou a ser o único responsável artístico.

Numa carta publicada pelo jornal, Peter Martins afirmou que tinha informado o conselho de diretores da instituição da decisão de se retirar, com efeitos imediatos, e rejeitou as acusações feitas.

"Neguei e continuo a negar que tenha tido esse tipo de condutas", garantiu Martins, suspenso de funções desde 09 de dezembro, data em que foram conhecidas as primeiras denúncias.

Em comunicado, o presidente do conselho de diretores da companhia, Charles W. Scharf, disse que a decisão de Martins foi aceite, acrescentando esperar em breve o fim da investigação interna.

A investigação foi aberta, depois de o conselho de diretores ter recebido uma carta anónima a denunciar os abusos de Peter Martins.

Tópicos:

New York City Ballet, New York Times Peter,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.