Dramaturgo Martin Crimp esteve no Porto a explicar os segredos da sua escrita

| Cultura

O dramaturgo britânico Martin Crimp deslocou-se ao Porto, para desmontar as suas técnicas de escrita e revelar os segredos da sua inspiração.

O objetivo da sessão "O resto devem conhecer do cinema", que decorreu na noite de quarta-feira, no âmbito das conferências Fórum do Futuro, organizadas pela Câmara do Porto, era explicar por que as peças da Grécia clássica ainda hoje inspiram os autores contemporâneos.

Mas o dramaturgo Martin Crimp acabou a montar "um teatro anatómico" na sala, autopsiando as suas formas de inspiração e a forma como produz as suas mais conhecidas peças teatrais.

O nome da sessão é também o título da sua mais recente obra - que terá estreia nacional no teatro São João, no Porto, em março de 2019 -, "O resto devem conhecer do cinema" ("The rest will be familiar to you from the cinema"), uma expressão que, confessou Crimp, nasceu de um equívoco de criança.

Mas, afinal, explica o dramaturgo, toda a peça é construída em artifícios e inesperadas decisões: "Eu tinha uma data-limite apertada, por isso peguei na estrutura de uma peça de Eurípides", "As Fenícias".

E manteve-se próximo da obra do dramaturgo grego, percebendo a eficácia dramática da obra e das personagens.

Quando se tentou afastar de Eurípides, em nome da criatividade, recuou: "Não queria deitar o bebé fora com a água do banho".

Afinal, a estrutura das peças clássicas e a função das personagens é uma marca de civilização que Martin Crimp aprendeu a utilizar, mais tarde na sua carreira: "Quando era jovem, não me interessava pelas peças da Grécia clássica".

Experimentou e repetiu: em vários momentos da sua já longa carreira, a técnica de adaptação de clássicos foi sendo apurada.

Na conversa com a investigadora Maria Sequeira Mendes, na sessão no Porto, Martin Crimp procurou então desmontar esta relação complexa entre as obras da Antiguidade Clássica e o pensamento artístico atual.

Aos 62 anos, Martin Crimp apresenta-se como um dramaturgo imaginativo e singular, herdeiro de várias escolhas e recusando sistematicamente rótulos para o seu estilo e forma.

Quando pegou na tragédia "As Traquínias", de Sófocles, e a transformou na peça "Cruel e Terno", Martin Crimp jogava num tabuleiro teatral que ele próprio criou.

Na peça "Attempts on her life", Crimp não atribui diálogos a uma personagem particular, ou quantos autores devem participar na obra, dando espaço de manobra para o encenador ser uma espécie de coautor do trabalho, permitindo essa contínua atualização do texto.

A fórmula, nas suas palavras, parece simples: "As pessoas querem ver pessoas a sofrer? Ou preferem ver uma história plena de escolhas, que fazem sofrer?".

E a resposta às questões surgiu-lhe ainda mais simples: "Desenhei peças onde há pessoas a sofrer pelas escolhas que fazem".

E Eurípides fazia isso como ninguém e levou Crimp pela mão, embalado por muitas outras influências, onde pontifica a escrita de Ionesco, o dramaturgo do teatro do absurdo.

Martin Crimp acredita que os clássicos gregos continuam a inspirar a atualidade e os autores contemporâneos exatamente pela sua transcendência temporal.

O modelo repete-se então, a partir dos mitos e das histórias que são Universais.

O difícil, no fim, confessa Martin Crimp é encontrar o título: "Porque os títulos são difíceis".

O resto devem conhecer do cinema.

 

Tópicos:

Eurípides, Grécia, Terno, Traquínias,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.