"Elas estiveram lá" recorda em teatro o papel de mulheres na resistência à ditadura

| Cultura

Testemunhos de resistência, do quotidiano de mulheres portuguesas, estão na base da peça "Elas estiveram lá", que, de hoje a sábado, atravessam a avenida da Liberdade, até ao Cinema S. Jorge, em Lisboa, numa produção do Teatro do Vestido.

"`Elas estiveram lá - quotidianos de resistência e de revolução de mulheres` incide sobre a presença feminina e a sua invisibilidade em determinados registos da história, uma vez que a história é contada por homens, e estes deixam sempre as mulheres na sombra", explicou à agência Lusa Joana Craveiro, autora do texto e responsável pela direção da obra.

A peça acaba por ser uma "reflexão sobre a condição feminina, face ao processo histórico e ao processo de repressão, daí que seja um espetáculo que começa na rua e termina numa sala", disse Joana Craveiro à Lusa, acrescentando que, assim, "acaba por ser também uma peça que aborda o processo de libertação feminina".

"Elas Também Estiveram Lá - quotidianos de resistência e de revolução de mulheres" não parte de testemunhos de personalidades conhecidas da história, antes de mulheres anónimas que Joana Craveiro foi conhecendo ao longo dos tempos - umas, ativistas políticas, outras, nem tanto -, e que são originárias de várias zonas do país, todas com vivências diferentes.

"A peça parte de uma pesquisa alargada que o Teatro do Vestido tem vindo a fazer, ao longo de cinco anos, a partir da recolha de testemunhos de mulheres anónimas, de mulheres que viveram a ditadura e o processo revolucionário, de mulheres que fomos encontrando ao longo do processo de construção" da obra, acrescentou Joana Craveiro.

Os "quotidianos de resistência" são evocados num percurso dramatizado, entre a avenida da Liberdade e o Cinema São Jorge, através da vivência de mulheres, durante a ditadura do Estado Novo, o dia 25 de Abril de 1974 e o processo revolucionário que se lhe seguiu.

O "percurso começa na Avenida da Liberdade, entra por uma porta, sobe um lance de escadas, e desemboca numa antiga sala de visionamento da censura", escreve o Teatro do Vestido, na apresentação da obra.

"Arredadas da história, pelo menos das narrativas históricas dominantes, as mulheres portuguesas têm contudo muito a dizer sobre a repressão, a censura, o machismo e o sexismo ao longo do século XX, nomeadamente durante a ditadura portuguesa, onde o mote de `a cada um o seu lugar` as relegava para lugares afastados da esfera pública, sujeitas ao domínio dos maridos, numa sociedade profundamente conservadora e patriarcal", acrescenta o teatro.

"Dos relatos [oficiais] do dia 25 de Abril, as mulheres também não constam, dominados que são por narrativas masculinas heroicas militares e políticas", prossegue o teatro, que acrescenta: "No processo revolucionário que ensaiou novas formas de organização e ação política, não sabemos onde estavam, ou em que livros de história se fixaram, mas vemo-las nas fotografias de manifestações, nos filmes e documentários da época".

O Teatro do Vestido quis, por isso, "ir resgatar essas vozes perdidas, anónimas, mas participantes em tudo isso, e assim dar conta de uma multiplicidade de retratos da mulher portuguesa, que são também um espelho do presente, ou de como chegámos até aqui".

Construída para um espaço emblemático - o Cinema São Jorge, onde existia uma sala de visionamento da censura - e para a zona exterior circundante, a Avenida da Liberdade, esta criação do Teatro do Vestido está "profundamente ancorada nas memórias da própria cidade, resgatando a pequena história que nos constitui", lê-se na apresentação da obra.

A peça tem texto e direção de Joana Craveiro, que também interpreta, com Ainhoa Vidal, Inês Rosado, Joana Margarida Lis, Tânia Guerreiro e Vera Bibi, figurinos de Ainhoa Vidal, desenho de luz de João Cachulo, produção de Cláudia Teixeira e fica em cena de hoje até sábado, no âmbito do festival Abril em Lisboa.

De hoje a sexta-feira, as representações têm início às 21:00, no sábado, às 19:00.

Os bilhetes são levantados no próprio dia do espetáculo, na bilheteira do Cinema São Jorge, a partir das 13:00.

A companhia recomenda "o uso de roupa e calçado confortáveis".

A 24 e 29 de abril, o Teatro do Vestido vai estar em Almada, no Teatro Municipal Joaquim Benite, com "Um minimuseu vivo de memórias do Portugal recente", uma peça para crianças a partir dos 11 anos, que aborda a ditadura portuguesa, de 1926-1974, a revolução de 25 de Abril de 1974 e o processo revolucionário de 1974-76, também a partir de testemunhos.

Tópicos:

Benite, Craveiro, Lis Tânia Guerreiro, Vestido,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.