Exposição em Viseu sobre obra de Júlio Resende e seu diálogo com Grão Vasco

| Cultura

A exposição temporária "Diálogo e traição. Grão Vasco/Júlio Resende", que põe em diálogo as obras dos dois artistas, é inaugurada sexta-feira, às 19:00, no Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu.

Promovida no âmbito das comemorações do centenário do nascimento do pintor Júlio Resende e do VIII Congresso dos Advogados Portugueses, a exposição, que estará patente ao público até 14 de outubro deste ano, é uma iniciativa do Museu Nacional Grão Vasco, em parceria com a Fundação Júlio Resende e com a Delegação de Viseu da Ordem dos Advogados.

A exposição "pretende estabelecer um diálogo entre a obra de Júlio Resende e a obra do mestre da pintura do Renascimento Vasco Fernandes", Grão Vasco, refere uma nota da Direção-Geral do Património Cultural.

"Diálogo e traição. Grão Vasco/Júlio Resende", que é comissariada por Laura Castro, inclui "obras de Júlio Resende pertencentes a museus e a coleções particulares que, de forma emblemática, ilustram a obra de Júlio Resende e dialogam com a obra de Grão Vasco".

Júlio Martins Resende da Silva Dias nasceu no Porto, em 23 de outubro de 1917, e faleceu aos 93 anos, em 21 de setembro de 2011, em Valbom, Gondomar (Grande Porto), onde em 1993 instituiu a Fundação Júlio Resende/Lugar do Desenho.

Tendo pintado "quase até ao fim da vida, no Porto, a cidade que o inspirou e à qual sempre voltou", Júlio Resende foi autor de "uma diversificada e premiada obra, marcada pelas viagens que foi fazendo ao longo da vida, e pelos mestres que conheceu, que abrange essencialmente a pintura sobre tela ou mural, serigrafias e gravuras, vitral, painéis cerâmicos para obras de arquitetura, ilustração de livros e, ainda, cenários e figurino para teatro e ballet", sublinha, na sua página da internet, a Universidade do Porto, a propósito dos seus "Antigos estudantes ilustres".

Grande parte da obra de Júlio Resende é apresentada em exposições, individuais e coletivas, em Portugal e no estrangeiro, desde os anos da década de 40 do século passado, e está patente em "muitos e prestigiados museus e coleções particulares", designadamente em Portugal, França, Brasil, Finlândia, Noruega, Bélgica e Macau.

Júlio Resende produziu muitos "murais cerâmicos para edifícios, públicos e privados, obras que se inseriram no contexto da reutilização do azulejo na arquitetura nacional" dos anos de 1950 e de 1960, destaca, entre outros aspetos, a Universidade do Porto.

Produtor de arte pública como o painel de azulejos da Estação de Sete Rios do Metropolitano de Lisboa, Júlio Resende foi igualmente autor, entre múltiplas obras, do painel Ribeira Negra, que "ofereceu à sua cidade e, posteriormente, foi executado em grés e colocado à entrada do Túnel [rodoviário] da Ribeira".

Nesta obra, o poeta Eugénio de Andrade viu "o magnificente historial da miséria e da grandeza da população ribeirinha do Porto".

Júlio Resende também foi professor no ensino secundário, técnico e regular e artístico universitário, carreira que iniciou em 1944, na Escola Industrial de Guimarães, e terminou na Escola Superior de Belas Artes do Porto, em 1987.

Tópicos:

Delegação, Eugénio Andrade, Laura, Macau, Renascimento Fernandes Grão, Ribeira Negra, Rios, Viseu Promovida,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.