Mais de uma centena de atividades na edição deste ano de `Coimbra a brincar`

| Cultura

A edição deste ano de `Coimbra a Brincar`, que decorre nos dias 27 e 28 e que dinamiza cerca de uma centena de atividades gratuitas, para todas as gerações, deverá mobilizar milhares de pessoas.

Nos dois dias, são esperadas mais de nove mil pessoas no Parque Verde, na área da margem esquerda do Mondego, em Coimbra, onde terão lugar a maior parte das atividades do `Coimbra a Brincar, que também estará no Exploratório, no Jardim Botânico e no Museu da Ciência, entre outros espaços, disse hoje à agência Lusa Fátima Vilaça, responsável pela organização do evento.

Na quinta edição, que se realizou em 2017, o `Coimbra a brincar` contou com a adesão de cerca de nove mil pessoas, de todas as idades, mas é provável que este ano esse número aumente, prevê Fátima Vilaça, referindo que o projeto tem registado aumentos consideráveis de ano para ano, sobretudo da quarta para a edição de 2017.

O facto de as atividades se multiplicarem e de se realizarem em diferentes espaços, todos gratuitos e completamente abertos, torna muito difícil avançar estimativas rigorosas sobre a quantidade de aderentes ao projeto, que, este ano, mobilizará cerca de dois milhares de participantes diretos e animadores, adianta Fátima Vilaça.

Transmitir a mensagem de que a brincadeira faz sempre falta a todas as pessoas e que as crianças que não brincam, tanto quanto devem e precisam, acabam frequentemente por resultar em adultos menos equilibrados e menos felizes (como têm vindo a concluir os especialistas), é o principal objetivo da iniciativa promovida pela Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra (APCC), em parceria com 51 entidades e com o apoio de dezenas de outras.

"É cada vez mais importante evidenciar a importância de brincar em todas as idades", sustenta Fátima Vilaça, mas particularmente em relação às crianças, cuja brincadeira "é o seu trabalho", alerta a responsável, lamentando o excesso de "preocupação académica" com os mais pequenos e a desvalorização do papel da "aprendizagem informal".

O projeto `Coimbra a brincar`, que foi criado, em 2013, para celebrar o Dia Internacional do Brincar, que se assinala a 28 de maio, também pretende mostrar às entidades responsáveis que "é muito importante" a existência de "espaços para brincar", designadamente "perto de casa", nas zonas residenciais, onde faltam em regra essas áreas, que continuam fora das preocupações urbanísticas, acrescenta Fátima Vilaça.

O programa da edição deste ano (disponível em www.apc-coimbra.org.pt) inclui, em estreia, atividades como minigolfe, modelagem de balões, pinturas faciais, danças de salão ou capoeira, mantendo, naturalmente, as já "clássicas" modalidades com insufláveis, a torre de escalada, os jogos tradicionais gigantes, os passeios a cavalo ou os contos e dramatizações.

`Coimbra a Brincar`, que se realiza desde 2013, " tem vindo a crescer em número de participantes, parceiros e patrocinadores, sendo atualmente um evento que se afirma pela sua capacidade de transmitir" a um elevado número de pessoas "a mensagem de que o brincar é uma atividade benéfica para todas as idades e uma fonte de prazer, alegria e aprendizagem essencial ao desenvolvimento, assim como à saúde física e mental", salienta a organização.

Tópicos:

Exploratório,

A informação mais vista

+ Em Foco

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

    Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

      O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

        Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.