Ministro admite não ser atingido objetivo de 1% para a Cultura

| Cultura

|

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, admitiu hoje em Macau que o objetivo de garantir 1% do Orçamento do Estado para a Cultura não será atingido nesta legislatura, mas garantiu o reforço financeiro já em 2019.

"Vamos aproximar-nos gradualmente, é o nosso objetivo e a nossa meta, mas não penso que no espaço desta legislatura, ou deste orçamento, cheguemos a 1% do Orçamento do Estado para a Cultura", disse.

"Naturalmente haverá um reforço da Cultura no próximo Orçamento de Estado", sublinhou, contudo, o governante.

As declarações de Luís Filipe Castro Mendes foram produzidas à margem da visita de dois dias em Macau, no âmbito do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Questionado sobre o novo modelo de autonomia de gestão dos museus para 2019, anunciado em junho, rejeitou a possibilidade de ser criada uma entidade autónoma a nível financeiro, explicando que o caminho passará por uma independência administrativa.

"Vamos para o modelo de uma autonomia de gestão administrativa com responsabilização (...) através de contratos-programa, mas que não será uma autonomia financeira", acrescentou o ministro.

Castro Mendes afirmou que o "plano ainda está em elaboração" e "será muito brevemente apresentado", depois de consultas ao setor e outros ministérios, prometendo para breve "uma definição mais concreta" do modelo, que "não passa pela criação do instituto".

No mês passado, o responsável pela pasta da Cultura já afirmara que este regime de autonomia de gestão dos museus, monumentos, palácios e sítios arqueológicos "assenta na gestão por objetivos e consubstancia-se no cumprimento de metas quantificadas e mensuráveis que integrarão o contrato plurianual a celebrar entre a administração do património cultural e o diretor da unidade orgânica".

Tópicos:

Macau,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.