Ministro admite não ser atingido objetivo de 1% para a Cultura

| Cultura

|

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, admitiu hoje em Macau que o objetivo de garantir 1% do Orçamento do Estado para a Cultura não será atingido nesta legislatura, mas garantiu o reforço financeiro já em 2019.

"Vamos aproximar-nos gradualmente, é o nosso objetivo e a nossa meta, mas não penso que no espaço desta legislatura, ou deste orçamento, cheguemos a 1% do Orçamento do Estado para a Cultura", disse.

"Naturalmente haverá um reforço da Cultura no próximo Orçamento de Estado", sublinhou, contudo, o governante.

As declarações de Luís Filipe Castro Mendes foram produzidas à margem da visita de dois dias em Macau, no âmbito do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Questionado sobre o novo modelo de autonomia de gestão dos museus para 2019, anunciado em junho, rejeitou a possibilidade de ser criada uma entidade autónoma a nível financeiro, explicando que o caminho passará por uma independência administrativa.

"Vamos para o modelo de uma autonomia de gestão administrativa com responsabilização (...) através de contratos-programa, mas que não será uma autonomia financeira", acrescentou o ministro.

Castro Mendes afirmou que o "plano ainda está em elaboração" e "será muito brevemente apresentado", depois de consultas ao setor e outros ministérios, prometendo para breve "uma definição mais concreta" do modelo, que "não passa pela criação do instituto".

No mês passado, o responsável pela pasta da Cultura já afirmara que este regime de autonomia de gestão dos museus, monumentos, palácios e sítios arqueológicos "assenta na gestão por objetivos e consubstancia-se no cumprimento de metas quantificadas e mensuráveis que integrarão o contrato plurianual a celebrar entre a administração do património cultural e o diretor da unidade orgânica".

Tópicos:

Macau,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.