Monstros são tema de exposição científica sobre o insólito e o desconhecido

| Cultura

Seres extraordinários ou maravilhosos, associados ao insólito e desconhecido, os monstros acompanharam a História de todas as culturas do mundo, e são alvo de uma exposição científica que é inaugurada no sábado, no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa.

A mostra, intitulada "A espantosa variedade do Mundo", que é inaugurada às 17h00, vai ficar patente até 3 de Junho naquele monumento, comissariada por Palmira Fontes da Costa e por Adelino Cardoso, com a colaboração da Fundação Champalimaud.

Ilustrada com variadas representações de monstros, imaginárias ou a partir do real, livros antigos e objetos que podiam ter pertencido a Gabinetes de Curiosidades, a exposição propõe uma reflexão científica sobre o insólito, associado ao desconhecido, à diferença e à raridade.

Durante uma visita guiada aos jornalistas, os comissários evocaram os monstros que têm amedrontado ou maravilhado a Humanidade, desde a Idade Média até aos dias de hoje, nas suas várias formas, naturais ou sociais.

Questionada pela agência Lusa sobre a função da figura do monstro, já que acompanha o homem desde sempre, Palmira Fontes da Costa apontou várias: "Interpelam o outro pela sua diferença extrema, e podem levantar questões sobre a identidade da Humanidade".

"Os monstros eram muitas vezes anunciadores de uma mensagem divina, pelo seu desvio da norma, moral ou costumes, para que fosse restabelecida, e eram simbólicos na sua representação", fosse através de chifres, olhos em partes do corpo inusitadas, com certos poderes, figuras híbridas, que misturavam o animal e o humano.

Esta exposição centra-se no monstro representado a partir da Idade Média e no mundo ocidental, mas estas figuras "acompanharam o ser humano ao longo de toda a História e todas as culturas", apontou a comissária.

Vários livros dos séculos XVI e XVII, provenientes da Biblioteca Nacional de Portugal e da Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, são apresentados com desenhos de figuras espantosas desenhadas pelos autores, sobretudo médicos, ou pessoas de maior erudição, que tentaram estudar e fixar o conhecimento da época.

A partir dos séculos XVII e XVIII, "começam a surgir tentativas de explicar as causas da monstruosidade", apontou Adelino Cardoso, acrescentando que surgem então os Gabinetes de Curiosidades, onde o público podia observar um pouco de tudo o que é diferente e exótico, de minerais a animais ou a seres humanos com deformações.

Nesta mostra surgem alguns desses exemplares, nomeadamente bebés siameses mortos à nascença e um ser sem cérebro, provenientes do Museu Patológico da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, ou um peixe monstruoso.

Na secção final da exposição entra a atividade da biologia e da medicina, através da colaboração com a Fundação Champalimaud, que salienta a descoberta do ADN e das novas tecnologias, permitindo aceder, por exemplo, aos vírus e suas mutações.

"As mutações em animais e seres humanos começaram a ser observadas em laboratório e foram exploradas como falhas genéticas, de forma a poderem ser compensadas ou tratadas", apontou André Valente, da fundação, responsável por esta secção.

Um aquário com dezenas de peixes zebra mostra como são usados em investigação, nomeadamente sobre o cancro e várias formas de o tratar.

"Hoje, o espanto não é 'naif', é informado, e tem a ver com a beleza e a complexidade da vida", comentou, acrescentando que os avanços da ciência têm trazido soluções e a abertura de novas fronteiras sobre o que será o futuro.

A exposição inclui um programa de visitas conversadas, aos domingos, e também para públicos com necessidades especiais, aos sábados, em linguagem gestual e com áudio descrição.

Tópicos:

Gabinetes, Padrão, XVI, XVII,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.