Mostra inédita de obras do Sector Intelectual de Lisboa do PCP no Museu da Cidade

| Cultura

Obras de arte portuguesa de 1968 à actualidade constituem a primeira exposição pública do acervo de arte do Sector Intelectual de Lisboa do Partido Comunista Português, patente a partir de 03 de Outubro, no Museu da Cidade.

No total estarão patentes 70 obras, entre serigrafia, escultura e pintura, que saem pela primeira vez dos edifícios do Partido e "apenas estiveram duas vezes expostas em circuitos internos", explicou Antónia Dimas, uma das responsáveis pela iniciativa.

"O trabalho", um óleo sobre tela, de Cecília Pinto, de 1968, é a obra exposta mais antiga.

A exposição, que é oficialmente inaugurada pelo secretário-geral do Partido Comunista Português, Jerónimo de Sousa, dia 02 de Outubro, reúne nomes como Adão Cruz, Ana Cassiano, António Carmo, António Domingues, Luís Ralha, Helena Almeida, Deolinda Amaro e Quintino Sebastião.

"Todas as obras foram oferecidas ao partido após o 25 de Abril de 1974, por artistas, quer fossem militantes ou não", afirmou Antónia Dimas.

Um dos objectivos desta exposição "é promover as pessoas que nela participam, mas também partilhar a arte com o grande público", disse à Lusa Dimas.


A informação mais vista

+ Em Foco

A música de Matay, escrita por Boss AC, ficou em primeiro lugar. Mas o tema "Telemóveis", de Conan Osíris, foi o mais votado pelo público.

Saiu a tabela anual das melhores escolas do país. No topo está outra vez o Colégio Nossa Senhora do Rosário, um privado do Porto.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.