Músico ganês Gyedu-Blay Ambolley estreia-se em Portugal em fevereiro de 2019

| Cultura

O saxofonista e cantor ganês Gyedu-Blay Ambolley estreia-se, a 20 de fevereiro de 2019, em Portugal, num concerto a realizar no B. Leza, em Lisboa, disse hoje à agência Lusa fonte daquele espaço.

O músico, que sempre se apresentou como crítico da corrupção, da desigualdade e do neocolonialismo, defensor de uma postura pan-africana, tocará acompanhado pela banda Sekondi.

Gyedu-Blay Ambolley iniciou-se na década de 1970 com o `Simigwa-Do`, um ritmo que, segundo os especialistas, funde o afrobeat com o funk e o jazz.

No concerto de Lisboa, o músico ganês deverá dar preferência aos temas que fazem parte dos mais recentes trabalhos discográficos gravados pelo músico, em 2017 e 2018, "Ketan" e "Message", respetivamente, com este a retomar temas do álbum histórico de Ambolley.

Atualmente, o músico, compositor e produtor ganês conta com 30 álbuns editados.

Gyedu-Blay Ambolley deu os primeiros passos como baterista e guitarrista, passando ainda pelo baixo, para depois se tornar vocalista tendo, acabando por adicionar o saxofone à sua lista de instrumentos.

O álbum "Simigwa", lançado em 1978, foi considerado pela crítica um dos mais inovadores do músico ganês, tendo feito de Blay Ambolley o fundador da `Simigwa Highlife` e, por isso, conhecido desde então como "Simigwahene" (O rei do simigwa).

"The Message", gravado com a banda Zantoda Mak III no início dos anos de 1980, alterou o rumo da música do artista do Gana, já que a partir desta década, deu mais ênfase aos instrumentos eletrónicos.

O resultado foi, segundo especialistas musicais, uma mistura de `highlife` e de `funk`, com "sons vanguardistas provenientes dos sintetizadores e das vozes".

O músico recebeu vários prémios ao longo do seu percurso, nomeadamente os prémios de carreira (`Lifetime achievement`), dos Ghana Music Awards, em 2013, e da Universidade Charles R. Drew, de Medicina e Ciências, na Califórnia, Estados Unidos, e ainda uma distinção do Estado da Califórnia, por "colmatar a lacuna entre África e a música Afro-americana".

 

 

Tópicos:

Afro, Califórnia, Ciências, Ghana Music Awards,

A informação mais vista

+ Em Foco

Francisco Veloso, reitor da Imperial College Business School, traça os cenários possíveis após a rejeição do acordo.

O presidente da Câmara dos Comuns é, digamos assim, o equivalente ao presidente da Assembleia da República em Portugal.

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.