Novo livro da poetisa Maria Teresa Horta, "Poesis", é apresentado hoje em Lisboa

| Cultura

O novo livro da poetisa Maria Teresa Horta, "Poesis", é apresentado hoje, em Lisboa, ao final da tarde, num conversa entre a autora e o jornalista Nicolau Santos.

"Poesis" é o título do novo livro de poesia de Maria Teresa Horta, que se estreou literariamente em 1960, e a conversa entre a poetisa e o jornalista está agendada para as 18:30, na Livraria Leya na Buchholz, na rua Duque de Palmela, em Lisboa.

Segundo comunicado das Publicações D. Quixote, que chancelam a obra, esta é "uma reflexão sobre a poesia e, também, um retrato poético sobre a vida da própria autora enquanto poetisa, com vários poemas alusivos ao seu percurso pessoal, abordando as dificuldades e as perseguições de que foi alvo enquanto mulher e autora de poesia erótica".

Maria Teresa Horta, de 80 anos, fez parte do grupo literário denominado "Poesia 61" e estreou-se com "Espelho Inicial" (1960).

Na área da poesia tem publicados 22 títulos, além de antologias, como "Poesia Reunida 1960-2006", em 2009.

Em 2012 publicou "As Palavras do Corpo (Antologia de Poesia Erótica)" e "Poemas para Leonor", este último inspirado na poetisa Leonor de Almeida Lorena e Lencastre, marquesa de Alorna, uma antepassada sua, do lado materno, e sobre quem escreveu o romance "As Luzes de Leonor", que lhe valeu o Prémio D. Diniz.

A livraria Leya na Buchholz foi a escolhida, este ano, como Livraria Preferida, numa eleição `online`, promovida pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), no âmbito do programa "Ler em Todo o Lado".

Tópicos:

Duque, Editores Livreiros APEL, Livraria Leya, Lorena, Luzes, Nicolau, Poesia Erótica, Teresa Horta,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.