Novo livro da poetisa Maria Teresa Horta, "Poesis", é apresentado hoje em Lisboa

| Cultura

O novo livro da poetisa Maria Teresa Horta, "Poesis", é apresentado hoje, em Lisboa, ao final da tarde, num conversa entre a autora e o jornalista Nicolau Santos.

"Poesis" é o título do novo livro de poesia de Maria Teresa Horta, que se estreou literariamente em 1960, e a conversa entre a poetisa e o jornalista está agendada para as 18:30, na Livraria Leya na Buchholz, na rua Duque de Palmela, em Lisboa.

Segundo comunicado das Publicações D. Quixote, que chancelam a obra, esta é "uma reflexão sobre a poesia e, também, um retrato poético sobre a vida da própria autora enquanto poetisa, com vários poemas alusivos ao seu percurso pessoal, abordando as dificuldades e as perseguições de que foi alvo enquanto mulher e autora de poesia erótica".

Maria Teresa Horta, de 80 anos, fez parte do grupo literário denominado "Poesia 61" e estreou-se com "Espelho Inicial" (1960).

Na área da poesia tem publicados 22 títulos, além de antologias, como "Poesia Reunida 1960-2006", em 2009.

Em 2012 publicou "As Palavras do Corpo (Antologia de Poesia Erótica)" e "Poemas para Leonor", este último inspirado na poetisa Leonor de Almeida Lorena e Lencastre, marquesa de Alorna, uma antepassada sua, do lado materno, e sobre quem escreveu o romance "As Luzes de Leonor", que lhe valeu o Prémio D. Diniz.

A livraria Leya na Buchholz foi a escolhida, este ano, como Livraria Preferida, numa eleição `online`, promovida pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), no âmbito do programa "Ler em Todo o Lado".

Tópicos:

Duque, Editores Livreiros APEL, Livraria Leya, Lorena, Luzes, Nicolau, Poesia Erótica, Teresa Horta,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.