PS quer Câmara do Porto a criar Comissão do Património e a classificar `Foco`

| Cultura

O PS/Porto revelou hoje que vai propor à Câmara a classificação do conjunto habitacional do Foco como imóvel de interesse municipal e a criação de uma comissão autárquica que inventarie, classifique e avalie processos de intervenções em património.

"A Câmara do Porto está muito longe de cumprir a sua obrigação de proteger o património. Independentemente da necessidade de alteração ou clarificação de normativos legais, a autarquia não pode refugiar-se na proclamação de que a culpa é dos outros para não cumprir o seu dever", afirmou hoje Manuel Pizarro, vereador socialista na autarquia, em declarações à Lusa à margem de um debate sobre Património Cultural promovido pela Federação Distrital do PS/Porto.

Por isso, avançou Pizarro, o PS vai propor, "numa das próximas reuniões de Câmara, criar uma Comissão Municipal de Património e "avançar com a classificação" de vários imóveis como património municipal, em concreto do Foco [também designado como Complexo Residencial da Boavista], uma vez que tal "não exige parecer vinculativo do Estado" nem nunca tal processo mereceu "oposição das entidades centrais".

"Nós também somos contra o centralismo. Mas não nos refugiamos nesta proclamação para não cumprir o nosso dever. A Câmara do Porto não pode ficar parada", notou o também presidente da Federação Distrital do PS/Porto.

Para Pizarro, a Câmara do Porto deve, por isso, criar a Comissão Municipal de Património, "retomando" uma estrutura que já existiu naquela autarquia na "década de 90".

De acordo com o socialista esta estrutura deve integrar os diferentes serviços municipais em causa, designadamente os da Cultura e do Urbanismo, mas ter, também, "uma forte participação de outros setores da sociedade", nomeadamente da Universidade do Porto e da Ordem dos Arquitetos.

A Comissão terá, segundo o socialista, de zelar pela "classificação e preservação patrimonial", envolvendo a comunicação aos cidadãos, porque este é um tema que "deve pressupor um debate transparente".

Segundo Pizarro, para além da "inventariação e classificação", esta entidade terá de "dar resposta aos diferentes processos de intervenção" no património.

Quanto à classificação do Foco, ou de outros conjuntos arquitetónicos, como imóveis municipais, o socialista admitiu que "deve ser clarificado o quadro legal para que não restem dúvidas de que esta classificação não exige um parecer vinculativo do Estado".

Independentemente da clarificação, o PS pretende avançar já com uma proposta "para que se inicie a classificação do Foco/Conjunto Residencial da Boavista", onde se inclui um edifício da década de 60, da autoria do arquiteto Agostinho Ricca.

"No caso do Foco, os serviços do ministério da Cultura pronunciaram-se contra a classificação como Imóvel de Interesse Público. O que queremos propor é a classificação como de Interesse Municipal. Tanto quanto sei, nunca a Direção Geral de Património Cultural se pronunciou contra uma classificação de interesse municipal", descreveu Manuel Pizarro.

Pizarro alerta estar em causa "um momento" de grande "disponibilidade imobiliária" que impõe "dar maior atenção ao património".

"O património do Porto não é um estorvo", frisou.

A Direção Geral do Património Cultural (DGPC) revelou no dia 24 de janeiro que a classificação de imóveis como de interesse municipal incumbe aos municípios, depois de o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, ter reivindicado mais competências para classificar imóveis, a propósito de uma intervenção do artista Vhils num prédio do Foco que acabou por não avançar.

Tópicos:

Foco Conto Residencial, Pizarro,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      A menos de 100 quilómetros da fronteira com a Síria, a cidade turca de Gaziantep é uma terra de tradições e sabores.

      Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.