Salas de cinema tiveram mais espectadores e receitas de bilheteira em 2017 - ICA

| Cultura

Os cinemas portugueses tiveram 15,5 milhões de espectadores e 81,5 milhões de euros de receita de bilheteira, um aumento de cerca de cinco por cento em relação a 2016, revelou o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

Segundo dados provisórios do instituto, em 2017 foram contabilizados mais 650 mil espectadores e mais 4,4 milhões de euros de receita de bilheteira do que em 2016.

Os 38 filmes portugueses que se estrearam em 2017 foram vistos no total por 390.781 espectadores, menos de metade do filme mais visto em Portugal: a produção norte-americana "Velocidade furiosa 8", de F. Gary Gray, que teve 787.724 espectadores.

O filme português mais visto foi "O fim da inocência", de Joaquim Leitão, com 76.827 espectadores.

Ainda assim, apesar de a quota de cinema português ter sido de apenas 2,6 por cento do total de filmes estreados, em 2017 houve mais portugueses a verem produções nacionais do que em 2016, passando de 353.798 para 390.781 mil pessoas.

A título de exemplo: em 2012 estrearam-se 27 filmes portugueses, que somaram 734 mil espetadores, a melhor prestação em termos de audiência desde 2004, ano em que o ICA começou a sistematizar estatísticas.

Verificando mensalmente, abril e dezembro foram os meses com mais pessoas nas salas portuguesas de cinema, coincidindo com as estreias de "Velocidade furiosa 8" e "Star Wars - Os últimos Jedi".

As receitas de bilheteira são coincidentes nesse período, ultrapassando os nove milhões de euros em cada um desses meses.

Setembro, outubro e novembro ficaram abaixo da fasquia do milhão de espectadores.

Além de "Velocidade furiosa 8", o pódio dos filmes mais vistos pelos portugueses em 2017 completa-se com a animação "Gru, o mal disposto 3", com 589.240 espectadores, e "A bela e o monstro", com 535.513 bilhetes emitidos.

 

Tópicos:

Leitão, Verificando,

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.