Teatro D. Maria estreia "Mau, mau, lobo mau!" para as crianças poderem lidar com o medo

| Cultura

O medo e a legitimidade de ter medo dominam a peça para crianças "Mau, mau, Lobo mau!", em cena no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, a partir de sábado, todos os sábados, até 23 de março.

A peça fala "sobre o medo e a legitimidade de se ter medo", disse à agência Lusa a encenadora Catarina Requeijo, que põe em cena uma colagem de textos escritos por Inês Fonseca Santos e Maria João Cruz, a partir de histórias e contos infantis.

A ação centra-se numa menina que não tem medo de nada e que anda à procura de ter medo de alguma coisa, até que se encontra com um lobo que devia provocar-lhe medo, mas que não consegue fazê-lo, acrescentou a encenadora.

Questionada sobre a influência de "O capuchinho vermelho", Catarina Requeijo admite que a peça se inspira numa figura de um lobo mau e em outras histórias para crianças que falam sobre o medo, já que este foi o ponto de partida para o trabalho.

"E é dessa colagem de várias histórias que surge a dramaturgia do espetáculo", observou.

A escolha do medo, como tema, era evidente para Catarina Requeijo. A encenadora argumentou que este "é estruturante no crescimento pessoal das crianças, bem como no de todos os seres humanos e até dos animais".

O medo "é o que nos faz não nos atirarmos de uma janela", disse à Lusa. "É o que nos protege de uma série de coisas. Por isso achámos interessante falar sobre o medo nesta fase da infância dos três aos seis anos", argumentou.

Falar de medo para que se possa ultrapassá-lo, assimilá-lo, integrá-lo. "Tudo depende da forma como se encara a questão", sublinhou. Abordar o medo, "para que as crianças percebam que é uma coisa normal", acrescentou, alegando que se fala muito pouco sobre o medo.

"Mau, mau, Lobo Mau!", a peça -- com Gonçalo Egito e Sandra Pereira --, é dirigida a famílias com crianças dos três aos seis anos, vai estar em cena no Salão Nobre, e é o quarto trabalho do projeto "Boca Aberta", iniciado em 2015, no Teatro Nacional D. Maria II.

Trata-se do primeiro de dois espetáculos produzidos pelo D. Maria II, este ano, no âmbito do projeto pensado para a infância. Em 11 de maio estrear-se-á o segundo, "Falas estranhês", que ficará em cena até 01 de junho.

O "Boca Aberta" procura introduzir as crianças ao teatro e às expressões dramáticas, com espetáculos desenvolvidos a partir de textos que fazem parte do Plano Nacional de Leitura, clássicos da literatura portuguesa e obras de autores portugueses e estrangeiros.

Pelo quarto ano consecutivo, este projeto do D. Maria II leva dois espetáculos a jardins de infância da cidade de Lisboa, e atrai crianças à casa do teatro, no Rossio, com apresentações no Salão Nobre, destinadas a escolas e a famílias.

Na edição deste ano, o "Boca Aberta" foi alargado a todos os jardins de infância da cidade, estando agora presente em mais de setenta salas de aula.

A juntar aos espetáculos, o "Boca Aberta" oferece ainda formação para educadores de infância e professores do ensino básico, em oficinas realizadas anualmente, pelas quais já passaram mais de cem profissionais de educação, segundo os números do Nacional D. Maria.

 

Tópicos:

Gonçalo Egito Sandra,

A informação mais vista

+ Em Foco

O vice-presidente do Brasil assegura que a democracia brasileira nunca esteve tão forte como agora. Entrevista exclusiva à RTP.

Em entrevista exclusiva aos enviados especiais da RTP, o cardeal Baltazar Porras declara apoio ao autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.