Teatro Gil Vicente em Coimbra recebe estreia mundial de "Drácula ou o Desmortal"

| Cultura

O palco do Teatro Académico Gil Vicente, em Coimbra, recebe na quarta-feira a estreia mundial da peça "Drácula ou o Desmortal", pelo Coletivo Soul, do Brasil, uma reinvenção da figura criada em 1897 pelo escritor irlandês Bram Stoker.

A peça resulta de um longo processo de pesquisa e recolha que levou o coletivo de artistas a viver durante curtos períodos de tempo na Amazónia brasileira, na Roménia ("pátria" do conde Drácula), Alemanha, França e finalmente Portugal (Coimbra), onde chegaram há três meses.

"Tem havido um trabalho de construção de um Drácula para o século XXI", justifica André Feitosa, que reconhece que a figura criada por Bram Stoker se tornou extremamente popular no mundo inteiro, tendo sido feitas, segundo a sua estimativa, "mais de duas mil adaptações de peças de teatro, cinema e atividades artísticas".

Essa extrema popularidade da figura do conde Drácula não desmotivou o coletivo, que garantiu o financiamento para a peça ao ganhar o concurso Rumos Itaú, promovido por este banco brasileiro. A ideia original era adaptar o romance de Bram Stoker "sob o viés antropológico das origens romenas e correlações com práticas mágicas brasileiras e de outras partes do mundo".

Desde então, o coletivo baseado em Fortaleza (Ceará) tem percorrido diversos lugares do mundo considerados relevantes, "em viagens exploratórias (iniciáticas)", especulando sobre a origem e formação do mundo que se encontra em muitos mitos religiosos e na filosofia dos pré-socráticos. Isto levou-os inicialmente a zonas remotas da Amazónia. Depois, estiveram os Cárpatos, na Roménia, estudando a geografia onde se move o vampiro de Bram Stoker.

Seguiu-se uma passagem curta pela Alemanha e dois meses em França, onde, entre outras coisas, fizeram "performances" em zonas campestres.

Em Coimbra, onde chegaram há três meses para uma residência, receberam a contribuição da dramaturga portuguesa Patrícia Portela, que, em conjunto com Alexandra Del Farra, montou o espetáculo que será visto em estreia mundial na quarta-feira, com repetição na noite seguinte.

"Propomos uma busca daquilo que permanece ou que convive com a sua própria morte (Un-Dead), sobrevivente, ameaçador: Drácula", refere o coletivo a apresentação da peça.

 

Tópicos:

Amazónia, Cárpatos, Desmortal, Patrícia Portela, Roménia, XXI,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.