Um dia no CCB e dois livros com inéditos assinalam 25 anos da morte de Natália Correia

| Cultura

Os livros de Natália Correia "Descobri que Era Europeia" e "Entre a Raiz e a Utopia", que inclui inéditos, chegam às livrarias na sexta-feira, quando passam 25 anos sobre a morte da escritora.

O Centro Cultural de Belém (CCB) também homenageia a autora de "Mátria" e "O Vinho e a Lira", no próximo dia 24, data em que assinala o Dia Mundial da Poesia, que, como hoje anunciou, dedica por inteiro à vida e obra da poeta, como se definia.

Natália Correia morreu em 16 de março de 1993, aos 69 anos, e esta sexta-feira, quando se completam os 25 anos da sua morte, chegam às livrarias as obras "Descobri que Era Europeia" e "Entre a Raiz e a Utopia", publicadas pela editora Ponto de Fuga.

"Entre a Raiz e a Utopia" apresenta um conjunto de documentos, na sua maioria inéditos, que retrata a relação entre a escritora e o pensador, pedagogo, ensaísta e cooperativista António Sérgio, durante um período de quase 12 anos, entre 1946 e 1958, em plena ditadura do Estado Novo.

"Um encontro entre dois grandes vultos da cultura portuguesa do século XX, sob o signo da fraternidade humana e da paz", como escreve a editora, "ou, segundo as palavras de [António] Sérgio, na viva esperança de um `cooperativismo integral` enquanto `libérrima anunciação profética de uma humanidade diversa da que temos hoje`".

Por sua vez, "Descobri que Era Europeia" é um relato da visita da escritora aos Estados Unidos, em 1950, aos 26 anos, em forma de diário, ensaio e poesia. Na obra, são testemunhados os "sucessos e contradições" vividos na América, naquela época, que levam Natália Correia a conhecer as suas raízes europeias.

Esta edição é transcrita a partir do exemplar da primeira edição (1951), da biblioteca pessoal de Natália Correia, com as suas próprias anotações.

Na próxima semana, na celebração do Dia Mundial da Poesia, o CCB tem sete programas e intervenções alusivos à celebração da obra da escritora, entre os quais "Natália Correia, Deputada Parlamentar", "Vida na Poesia e Poesia na Vida: Origens Açorianas de Natália Correia", "1968-1974. Natália Correia Superstar?", "A diversidade criativa", "Natália Correia, a rebelde" e "À conversa com amigos de Natália", cruzando depoimentos de Cruzeiro Seixas, Manuel Murteira, António Valdemar e António Victorino de Almeida.

Será ainda abordado o processo movido contra a escritora, pela publicação de "A antologia da poesia erótica e satírica", nos anos da ditadura ("O julgamento de Natália Correia").

Na abertura da jornada falar-se-á sobre "A intervenção cívica e cultural" de Natália Correia, e o seu "pensamento inovador".

O Dia Mundial da Poesia (21 de março) será celebrado pelo CCB a 24 de março, das 15:00 às 19:00.

Natália Correia nasceu nos Açores, em 13 de setembro de 1923. Aos 11 anos fixou-se em Lisboa, onde trabalhou como jornalista e ativista política.

Foi uma das figuras mais importantes na literatura e na sociedade portuguesa do século XX, como destaca o CCB. Morreu em 16 de março de 1993, em Lisboa.

Tópicos:

CCB, Cruzeiro Seixas Murteira, Natália Correia, Poesia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.