Fernando Santos na Rússia para ganhar jogo a jogo

| Mundial 2018
Fernando Santos na Rússia para ganhar jogo a jogo

A ver: Fernando Santos na Rússia para ganhar jogo a jogo

FOTO: Paulo Novais, Lusa

O selecionador falou da ambição de ganhar da equipa. Fernando Santos sublinhou ainda natureza do apoio nacional à equipa das `quinas` no Mundial2018, agora à distância, ao contrário do que ocorreu no Euro2016.

O selecionador português sublinhou ainda a natureza do apoio nacional à equipa das `quinas` no Mundial2018, agora à distância, ao contrário do que ocorreu no Euro2016.

"Não vai fazer falta, mas gostávamos muito de ter o apoio que tivemos no Europeu. Temos o apoio do povo português, que sabe que não viemos aqui para participar no campeonato do mundo, mas para ganhar cada jogo. Certamente teremos nas praças em Portugal corações a vibrar intensamente, acreditando que esta equipa vai cumprir os objetivos", vincou Fernando Santos.

Em Kratovo, a cerca de 50 quilómetros sudeste de Moscovo, a seleção lusa, que retomou os treinos este domingo, dificilmente vai contar com a onda de entusiasmo ocorrida no Euro2016, com o centro de estágio de Marcoussis, em França, repleto de emigrantes.

"Claro que preferíamos ter o apoio como em Marcoussis. Nos momentos menos fortes é muito importante quando o sentimos. Quando não estamos a ganhar, o apoio é muito importante, mas os meus jogadores estão preparados para isso. Temos de ser nós a fazer isso", afirmou.

Fernando Santos realçou a convicção de que o país está com a seleção, recordando o último desafio de preparação, com a Argélia, na quinta-feira, no Estádio da Luz, em Lisboa, onde a chuva não impediu 50.000 adeptos de apoiarem a seleção.

"Obviamente que preferia ter aqui na Rússia mais de 20.000 ou 30.000, mas sentir que o povo português está connosco é motivo mais do que suficiente", frisou.

A serenidade de Fernando Santos estende-se aos 23 futebolistas que dirige, afiançando que confia plenamente na capacidade de todos para jogarem e cumprirem, com sucesso, a missão que lhes for confiada.

"Vou dormir tranquilo, coloque em campo quem colocar. Dor de cabeça é quando vou para a cama e não sei o que fazer. É bom sinal dormir tranquilo. Estão aptos, sabem o que fazer em campo. Espero que ainda possam melhorar", justificou.

O selecionador refutou as observações feitas por alguns jornalistas estrangeiros de que a equipa das `quinas` se faz menos favorita do que realmente é.

"Portugal nunca é humilde de mais. Afirma-se como candidato à vitória", sublinhou, garantindo que os seus 23 `peões` estão "ótimos" e prontos a entrar em competição.

Quanto aos desafios da primeira fase, descartou a possibilidade de gerir o grupo mediante os adversários, justificando que há demasiadas condicionantes e realidades para pensar em desafios além do próximo.

"[Se é] Impossível. Depende dos resultados, o que acontecer, de como reagem aos jogos. Não sou treinador para levar intenções para o jogo. Podem até jogar os mesmo todos os jogos", admitiu.

Fernando Santos entende que esse tipo de planeamento seria pernicioso: "Seria mau para os atletas. Eles sabem o quanto são importantes. Jogam porque entendo que devem jogar, não pelo `ranking` do adversário. Os jogadores ficariam muito incomodados. Seria falta de confiança do treinador".

O técnico disse ainda que o quartel-general instalado em Kratovo está a ser do agrado da seleção.

"Quando vim aqui a primeira vez fiquei um pouco assustado, não pelo espaço em si, porque à partida era bom, mas pelas condições globais. O campo está bom e os jogadores estão satisfeitos", concluiu.

A equipa das `quinas` vai estrear-se no Mundial2018 frente à Espanha, na sexta-feira, em Sochi, no primeiro jogo do Grupo B, seguindo-se desafios com Marrocos, a 20 de junho, em Moscovo, e Irão, de Carlos Queiroz, a 25, em Saransk.


c/ Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

      Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

        Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.