Agência S&P sobe para "positiva" perspetiva da notação da dívida pública nacional

| Economia

|

A Standard & Poor`s subiu de "estável" para "positiva" a perspetiva do `rating` (notação) da dívida pública portuguesa e manteve a nota em BBB-, anunciou a agência num comunicado divulgado esta noite.

"Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% por ano até 2021, com o défice orçamental a melhorar até 0,4% do Produto Interno Bruto [PIB] em 2020, de 0,7% este ano", afirma a agência S&P.

Aquela perspetiva positiva reflete a possibilidade de uma melhoria na nota atribuída à capacidade de crédito do país.

Segundo o texto da agência de 'rating', esta melhoria vai ser aferida pelo desendividamento público e privado, bem como pela melhoria na estabilidade financeira.

"Podemos melhorar o nosso 'rating' de Portugal se a economia continuar o desalavancar (desendividar-se) externamente ao ritmo atual de (equivalente a) 3%-5% do Produto Interno Bruto", detalhou o texto.

Este processo "iria reduzir o 'stock' ainda elevado do endividamento externo do país", especificou.

Outra condição para a S&P considerar melhorar a nota portuguesa seria a "convergência das condições de crédito em Portugal com a média da zona euro, o que melhoraria a transmissão da política monetária do Banco Central Europeu".

Em particular, a S&P destacou a importância que dá aos custos de financiamento e os ainda elevados níveis de crédito malparado no sistema bancário.

Ao contrário, a agência de 'rating' avisou que pode repor a perspetiva, agora melhorada para positiva, em estável, se se assistir "a um acentuado enfraquecimento no crescimento económico ou a uma falta de progresso na realização de reformas estruturais promotoras do crescimento da economia".

Outras ameaças mencionadas pela S&P à atual melhoria da perspetiva situam-se na eventual deterioração do saldo orçamental, ao contrário do que está à espera, ou na inversão do ajustamento externo em curso.
Aumentos consecutivos do salário mínimo não prejudicam competitividade
Os aumentos consecutivos do salário mínimo em Portugal "não devem ter enfraquecido" a competitividade dos custos dos bens e serviços portugueses, considerou a agência de notação financeira Standard & Poor's.

"Os aumentos consecutivos do salário mínimo, o mais recente dos quais em cerca de 4% em janeiro de 2018, acompanhados por medidas para compensar alguns dos custos adicionais para os empregadores, não devem ter enfraquecido a competitividade dos custos dos bens e serviços portugueses", especificou a agência de 'rating'.

Segundo a agência, "com uns estimados 14,1 euros em 2017 (dados do Eurostat), o custo horário do trabalho em Portugal está 47% abaixo da média da Zona Euro, excluindo agricultura e administração pública".

Para calcular este custo do trabalho, o Eurostat inclui salários e contribuições para a Segurança Social, custos com a formação profissional e outras despesas, como custos de recrutamento, despesas em vestuário de trabalho e taxas, e deduz subsídios.

Uma ameaça maior para as perspetivas económicas de Portugal a longo prazo vem do envelhecimento populacional, contrapôs a S&P.

Sobre a situação no imobiliário, a S&P alerta que os preços das casas estão 12% acima dos existentes há um ano e quase 15% em relação aos máximos registados antes da crise em 2008.

Este acentuado aumento dos preços é atribuído ao declínio acentuado nas taxas de juro, ao aumento continuado dos salários e rendimentos das famílias, aos desenvolvimentos no setor turístico, bem como ao interesse de investidores estrangeiros na obtenção de residência em Portugal.
Centeno: Sucesso da legislatura
O ministro das Finanças, Mário Centeno, considerou que a subida da perspetiva do 'rating' da dívida portuguesa, pela agência Standard & Poor's, reflete o sucesso das medidas aplicadas durante a atual legislatura.


"Esta notícia vem no conjunto de outras avaliações que diferentes instituições têm feito sobre o desenvolvimento da economia, das finanças públicas, do sistema financeiro em Portugal. São o resultado de um conjunto de políticas que nos propusemos implementar ao longo da legislatura (...). Um enorme esforço com sucesso assinalado pela Standard & Poor's", disse Mário Centeno aos jornalistas.

Tópicos:

Interno Bruto [PIB],

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.