António Costa diz que Portugal começa "a reduzir a dívida a partir de outubro"

| Economia

O primeiro-ministro, António Costa, declarou hoje que Portugal vai começar a reduzir a sua dívida pública "a partir de outubro", indicador que, aliado à descida do défice, sustenta o caminho de recuperação económica do país.

"Estamos a conseguir reduzir o défice e vamos começar a reduzir a dívida a partir de outubro. É a esta trajetória que temos de dar continuidade, e para darmos continuidade precisamos de dar força à mudança política que fizemos há dois anos", vincou Costa, falando em Trancoso, como secretário-geral do PS, perante dezenas de socialistas presentes na abertura da sede de campanha do candidato autárquico local.

O chefe do Governo e líder do PS diz ser "preciso dar força" aos socialistas para ser prosseguida "esta mudança de política".

"Os resultados têm sido bons, mas temos de fazer mais para serem melhores e sustentáveis", advogou, antes de pedir que seja dada continuidade ao trabalho iniciado "nesta legislatura" nas legislativas de 2019.

No atual executivo municipal de Trancoso, presidido por Amílcar Salvador, que o PS recandidata, os socialistas têm a maioria, com quatro elementos, e o PSD possui três vereadores.

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.