Associação de empresas florestais perspetiva "verão trágico"

| Economia

O presidente da Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente (ANEFA) perspetivou hoje um "verão trágico para o setor florestal", na sequência do incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande e matou, pelo menos, 62 pessoas.

Remetendo para mais tarde "uma análise e avaliação ao que se passou", Pedro Serra Ramos antecipou já um "verão trágico para o setor florestal", tendo em conta que em meados de junho já se contabilizam mortos e uma "dimensão [de área ardida] na floresta que é impensável".

"Vamos começar a pensar onde é que vamos buscar madeira para a indústria que temos", referiu o dirigente da ANEFA, que recusou relações entre o incêndio e "mão criminosa", dado a "floresta queimada custar muito mais a trabalhar" e os preços serem semelhantes entre a madeira queimada e a que não está.

O incêndio no centro do país é para o dirigente "uma morte anunciada", tendo em conta as "alterações do ponto de vista climatérico ao longo do último inverno e primavera" e com o "não fazer-se nada do ponto de vista florestal há quatro anos".

"Era uma questão de tempo acontecer uma desgraça como esta", acrescentou à agência Lusa.

Pedro Serra Ramos criticou que, entre os países europeus, apenas em Portugal diminua a área florestal, "por não se investir no setor".

O responsável garantiu ainda que as medidas anunciadas pelo Governo para a floresta são "tudo menos uma reforma, porque reformar implica uma mudança".

"E o que assistimos foi uma saída de um pacote legislativo que é mais do mesmo e que não vai alterar a situação, que se tem vindo a degradar ao longo dos últimos anos, continuando-se a cortar e nada fazendo para aumentar a área, seja ela de que espécie for", referiu.

O responsável defendeu um "trabalho coordenado" entre indústria, produção, prestadores de serviços e o "próprio Estado, enquanto líder do processo" e o fim do funcionamento do setor com base num "voluntariado que não existe e é subsidiado".

"O setor tem que ser tratado com profissionais, que se pagam", afirmou.

Fonte da Associação Portuguesa de Seguradores informou estarem peritos no terreno para recolherem dados e apenas depois dessa compilação e análise haverá um balanço.

O fogo, que deflagrou na tarde de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 62 mortos civis e 62 feridos, dois deles em estado grave. Entre os operacionais, registam-se dez feridos, quatro em estado grave. Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, até terça-feira.

Tópicos:

Figueiró Vinhos Castanheira, Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.