Banco central da Índia anuncia linha de crédito bonificado de 5.580 milhões de euros

por Lusa

O banco central indiano anunciou hoje a abertura de uma linha de crédito bonificado de 6,7 mil milhões de dólares (5,58 mil milhões de euros) para fabricantes de vacinas, hospitais e empresas da área da saúde.

A ideia é garantir recursos que ajudem a combater a segunda vaga de covid-19 que se regista no país.

O governador do Banco da Reserva da Índia disse que os empréstimos estariam disponíveis até 31 de março do próximo ano e prometeu medidas "não convencionais", caso a crise se agrave.

Shaktikanta Das salientou que "o objetivo imediato é preservar a vida humana e restaurar os meios de subsistência por todos os meios possíveis".

"A velocidade devastadora com que o vírus está a afetar diferentes partes do país precisa de ser equilibrada com ações rápidas e abrangentes", acrescentou.

As novas medidas foram concebidas para melhorar o acesso aos cuidados de saúde de emergência durante a pandemia, explicou, facilitando aos bancos a concessão de empréstimos bonificados a hospitais, fabricantes de oxigénio e mesmo a doentes.

O sistema de saúde da Índia, dilapidado e subfinanciado, está a lutar para lidar com o fluxo de doentes infetados com o novo coronavírus, com alguns a morrer às portas do hospital devido à falta de acesso ao tratamento e ao oxigénio.

O país tem tentado recuperar de meses de contenção rigorosa, com impacto no mercado de trabalho e consequente contração significativa da economia.

Com receio que se repita a devastação económica do ano passado, as autoridades têm até agora imposto restrições, mas continuam relutantes em impor um confinamento generalizado.

A Índia registou 3.780 mortos devido à covid-19 em 24 horas, o número mais elevado desde o início da pandemia, e 382.315 casos, anunciaram hoje as autoridades.

Desde o início da pandemia, o país contabilizou 226.188 óbitos e 20,5 milhões de casos, disse o Ministério da Saúde indiano.

Mais de 40 países começaram a enviar ajuda para a Índia para ajudar a combater a pandemia, incluindo ventiladores e equipamento médico, bem como geradores de oxigénio, cilindros, concentradores e reguladores.

pub