Banco de Portugal divulga aumento do valor dos fundos de investimento em circulação em 2017 e atingiu os 26,4 mil milhões de euros

| Economia

O valor líquido global das unidades de participação em circulação dos fundos de investimento aumentou 3,3 mil milhões de euros até Dezembro de 2017, face a Dezembro de 2016, e atingiu os 26,4 mil milhões de euros.

De acordo com a informação divulgada hoje pelo Banco de Portugal (BdP) relativa às estatísticas sobre a atividade dos fundos de investimento no ano passado, este aumento concentrou-se essencialmente nos fundos de obrigações (2,5 mil milhões de euros) e resultou, em grande parte, da alteração de política de investimento de um fundo do mercado monetário para fundo de obrigações.

A atividade dos fundos de investimento em 2017 refletiu-se num acréscimo do montante aplicado em depósitos em cerca de mil milhões de euros e no investimento em títulos emitidos por não residentes de cerca de 1,9 mil milhões de euros, dos quais 1,2 mil milhões correspondiam a títulos de dívida de longo prazo, sinaliza a instituição.

Verificou-se ainda um desinvestimento em ativos não financeiros no mesmo montante observado em 2016 (0,4 mil milhões de euros), acrescenta.

Ainda assim, segundo o BdP, os ativos não financeiros continuavam a ser os ativos com maior peso no balanço dos fundos de investimento, representando 39% do total.

Os particulares mantiveram-se como o principal setor investidor em fundos de investimento, detendo cerca de 42% do total das unidades de participação em circulação no final de 2017, seguidos pelo setor das instituições financeiras monetárias, com 27%.

Apenas 7% do total de unidades de participação emitidas eram detidas por investidores não residentes.

Em 2017, o valor das aplicações de particulares aumentou 2,5 mil milhões de euros, resultado da alteração de um fundo do mercado monetário para fundo de obrigações e de novas subscrições.

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.