Banco Montepio vai recorrer das multas do Banco de Portugal

| Economia

O chairman do Banco Montepio, Carlos Tavares, disse esta segunda-feira que a instituição vai recorrer das multas aplicadas pelo Banco de Portugal, no valor de 2,5 milhões de euros, cujo valor foi provisionado nas contas de 2018.

"O Conselho de Administração tomou uma decisão baseada no parecer dos advogados de recorrer", disse Carlos Tavares sobre as multas decretadas pelo Banco de Portugal ao Banco Montepio.

"O único requerimento que os auditores [das contas do banco] fizeram relativamente a este processo foi o da coima do próprio banco, baseado na interpretação que eu julgo que é linear da deliberação da assembleia geral, que é concordante também com a dos nossos serviços jurídicos, e portanto provisionámos a coima relativamente ao banco", explicou Carlos Tavares durante a conferência de imprensa de apresentação de resultados de 2018 do Banco Montepio.

Sobre o recurso, Carlos Tavares disse que, "de acordo com o parecer dos advogados do banco", este vai tentar fazer com que a coima seja inferior.

O `chairman` do Montepio, esclareceu ainda que não será o banco a pagar as coimas de antigos administradores.

Quando questionado se face ao não provisionamento nas contas de 2018 das multas a anteriores administradores isso significaria que o banco não as ia pagar, Carlos Tavares respondeu afirmativamente.

"A sua interpretação é correta", disse Carlos Tavares.

No dia 21 de fevereiro foi dado a conhecer que o Banco de Portugal condenou Tomás Correia a uma multa de 1,25 milhões de euros no âmbito das suas funções quando era presidente do banco Montepio.

Para além de Tomás Correia, o regulador e supervisor bancário condenou outros sete ex-administradores do banco (com multas entre 17,5 mil e 400 mil euros) e ainda o próprio banco, em 2,5 milhões de euros.

Tópicos:

Montepio,

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP ouviu os seis lideres partidários sobre temas que escapam aos programas políticos e que contribuem para definir o perfil dos candidatos.

    Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

    Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.