BCE revê em baixa previsão de crescimento na zona euro para 2% este ano

| Economia

O Banco Central Europeu (BCE) reviu hoje em baixa a previsão de crescimento para este ano na zona euro passando-a para 2% em vez de 2,1%, anunciou hoje o presidente da instituição, Mario Draghi.

A previsão de crescimento para 2019 também baixou e passou de 1,9% para 1,8%, mas a de 2020 continuou a ser de 1,7%.

As previsões para a inflação mantiveram-se em 1,7% para este ano e para os dois anos seguintes.

Segundo Draghi, os riscos para a conjuntura na zona euro continuam a ser "globalmente moderados", apesar de um aumento da incerteza devido ao "protecionismo crescente", alimentado desde há meses pelo conflito comercial que opõe os Estados Unidos a vários parceiros comerciais.

Esse clima já se faz sentir com um "contributo menor da procura externa", o que levou o BCE a rever as previsões de crescimento, explicou Draghi, que falava em conferência de imprensa após uma reunião do BCE.

O presidente do banco central mencionou igualmente as "vulnerabilidades dos mercados emergentes" e exortou "os países muito endividados" a respeitarem as regras orçamentais, o que foi interpretado como uma alusão ao receio de uma derrapagem da já elevada dívida de Itália com um novo Governo populista.

Questionado sobre a situação do sistema financeiro, dez anos após o colapso do banco norte-americano Lehman Brothers, Draghi disse que os bancos estão mais fortes, mas que não se pode ser complacente.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.