Bruxelas dá dois meses a Portugal para transpor regras de inspeção automóvel

| Economia

|

A Comissão Europeia solicitou hoje a Portugal que transponha integralmente uma série de leis comunitárias do chamado "pacote Inspeção Técnica Automóvel", ameaçando recorrer para o Tribunal de Justiça se tal não suceder no prazo de dois meses.

No quadro dos processos de infração hoje movidos contra os Estados-membros por incumprimento da legislação comunitária, a Comissão indica que o pacote legislativo sobre inspeções técnicas, adotado em 2014 para melhorar a segurança rodoviária na União Europeia, deveria ter sido transposto pelos Estados-membros até 20 de maio de 2017, mas "até à data, Portugal, Eslovénia e Espanha não o fizeram, ou apenas o fizeram parcialmente", razão pela qual enviou hoje pareceres fundamentados aos três países.

O executivo comunitário precisa que Portugal e Eslovénia "não adotaram, não publicaram nem comunicaram à Comissão as medidas nacionais de transposição das regras atualizadas sobre inspeção técnica periódica dos veículos a motor e seus reboques".

A diretiva em causa abrange os veículos ligeiros de passageiros, camiões, autocarros, reboques de pesados, motociclos e tratores com velocidade superior a 40 km/hora e define os elementos a verificar durante a inspeção técnica, os métodos de verificação, as deficiências e a respetiva avaliação. Esta lei comunitária também introduz requisitos mínimos para as instalações de inspeção, a formação dos inspetores e os organismos de supervisão.

"Todos os Estados-membros em causa têm agora dois meses para responder. Caso contrário, a Comissão poderá decidir instaurar-lhes uma ação no Tribunal de Justiça da UE", adverte Bruxelas.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Estado de Kerala, na Índia, está a enfrentar as piores cheias do último século. As chuvas torrenciais fizeram 350 mortos e deixaram cerca de 350 mil pessoas desalojadas.

    Os depósitos foram descobertos nas regiões polares. Se houver gelo suficiente na superfície, a água poderá ser utilizada em futuras missões ao satélite natural.

    Ocupou durante 60 anos vários cargos nas Nações Unidas e viria a deixar a sua marca na história da organização. Kofi Annan morreu em Berna aos 80 anos.

    Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.