Bruxelas diz que progresso na contenção das despesas de Saúde foi limitado

| Economia

A Comissão Europeia considerou hoje que Portugal fez "progressos limitados" na tentativa de controlo das despesas da Saúde, como refere no relatório sobre o país divulgado no âmbito pacote de inverno do semestre europeu.

De acordo com o relatório, a despesa do setor da Saúde continua a ser um problema em Portugal, nomeadamente no que diz respeito às dívidas dos hospitais.

Apesar de reconhecer que foram feitos alguns progressos, por exemplo, com o aumento do uso de medicamentos genéricos e com a criação, este ano, de uma unidade de análise orçamental e de centros de responsabilidade integrada, a Comissão admite ser "pouco claro se estes esforços serão suficientes".

Na análise, a Comissão dividiu em cinco fases o estado de cumprimento das recomendações feitas aos vários Estados-membros: não fez progressos, fez progressos limitados, fez alguns progressos, fez progressos substanciais e houve total implementação.

Para a Comissão, as desigualdades registadas no setor Saúde continuam a ser um problema, até porque Portugal é um dos países com maior percentagem de desempregados entre a faixa dos 15 e 64 anos e em risco de não terem acesso a cuidados médicos (10%).

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.