Câmara de comércio açoriana denuncia atrasos em pagamentos a fornecedores na Saúde

| Economia

A Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada denunciou hoje atrasos, alguns superiores a um ano, no pagamento a fornecedores dos hospitais a nível de "produtos farmacêuticos, dispositivos médicos, equipamentos e outros bens de consumo".

"Dando voz aos associados", a câmara do comércio, em nota de imprensa hoje enviada, diz ter feito no final do ano passado "novas diligências face ao agravamento da situação, tendo sido apresentadas ao responsável do setor, em reunião, as preocupações das empresas" fornecedoras.

"Foi, na ocasião, acordado um prazo para resposta às mesmas. Não tendo havido uma resposta, até ao momento, os associados consideram que não é possível continuar a fornecer os hospitais da região nas condições que o vêm fazendo. Na realidade, constata-se, em alguns casos, a existência de atrasos nos pagamentos dos fornecimentos em prazos superiores a 15 meses, quando na generalidade, deveriam ser pagos a dois meses, nos termos estabelecidos nos concursos", frisa a entidade.

Para as empresas do setor, prossegue a Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, "não é possível manter esta situação, que está a provocar significativas dificuldades ao seu funcionamento e gestão, colocando-as em risco, tendo designadamente em atenção que estas necessitam de meios financeiros para cumprirem as suas obrigações" para com os seus próprios fornecedores, o Estado, "que é implacável quando os privados se atrasam, e para com os seus trabalhadores".

A nota refere ainda que as empresas "vão deixar de fornecer a crédito os hospitais, a partir do final do corrente mês, caso não haja garantias claras e fiáveis da resolução dos montantes em dívida, bem como do cumprimento dos prazos convencionados para novos fornecimentos".

Tópicos:

Ponta Delgada,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.