Centeno não exclui aumentos na Função Pública mas alerta contra "tentação"

| Economia

|

O ministro das Finanças não se compromete com aumentos salariais na Função Pública para 2019. Em entrevista à TSF, o governante não descarta a possibilidade, mas afirma que qualquer decisão só será conhecida com o Orçamento do Estado para 2019. Mário Centeno deixa ainda avisos contra a “tentação” que existe em Portugal “quando o sol brilha”.

Questionado sobre a possibilidade de aumentos na Função Pública no próximo ano, o ministro das Finanças responde que “nunca me ouviu dizer a palavra nunca e também não vai ser agora”.

Em entrevista à TSF, Centeno sublinha que o Governo está empenhado num “conjunto de matérias muito significativo, do lado da administração pública”, nomeadamente em recrutar para “áreas que têm estado muito fechadas” nos últimos anos. Na segunda-feira, António Costa já tinha considerado que a discussão de um eventual aumento na Função Pública encontra-se "fora de tempo". Centeno afirma que as decisões chegarão com o Orçamento do Estado.


“É um caminho que está a ser feito, vai continuar a ser feito, e os equilíbrios que forem encontrados no âmbito do orçamento de 2019 ditarão qual é o seu desenho final. Neste momento, o programa de estabilidade tem uma trajetória e um âmbito mais longo no tempo”, afirma Mário Centeno.

O ministro das Finanças mostra-se ainda preocupado com eventuais futuras crises, pelo que quer que Portugal se prepare a tempo. “Quando em Portugal o sol brilha, e brilha assim durante três ou quatro meses, há sempre uma enorme tentação de ultrapassar um conjunto de condições orçamentais que, à partida, podem causar problemas”, alerta o também presidente do Eurogrupo.

Para Centeno, a “tentação” de aumentar a despesa pública porque “o sol brilha durante umas horas” leva a “que quando as taxas de juro aumentam, quando as condições económicas se tornam mais complicadas, ainda que ciclicamente, a dívida torna-se insustentável e o país tem dificuldade em encontrar o tal porto seguro onde possa continuar a usar todos os instrumentos de política orçamental de que gostamos”.

Na entrevista à TSF, Mário Centeno recusa também reduções significativas da carga fiscal enquanto não houver um excedente nas contas públicas. O Programa de Estabilidade prevê que Portugal consiga um superavit a partir de 2020.

“Nós temos que ter consciência de que o caminho que estamos a percorrer tem que ser feito com equilíbrio, quer na forma como projetamos a receita, quer na forma como executamos a despesa”, justifica Centeno.

Na entrevista à TSF, Mário Centeno admite ainda que as ajudas públicas ao Novo Banco não terminem em 2018.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.