China promete tomar "medidas necessárias" para proteger empresas do país

| Economia

|

O Ministério do Comércio chinês anunciou hoje que vai "tomar as medidas necessárias para proteger as empresas" chinesas, um dia depois dos Estados Unidos proibirem a venda de componentes ao grupo de telecomunicações ZTE.

"A China vai tomar as medidas necessárias para proteger os direitos e interesses das empresas legítimas" chinesas, garantiu, em comunicado, o Ministério.

Washington deve ser capaz de criar "um ambiente justo, equitativo e estável para as empresas chinesas", indicou o documento.

O Ministério lembrou que a ZTE "tem uma ampla cooperação comercial e de investimentos com centenas de empresas norte-americanas, criando dezenas de milhares de empregos nos Estados Unidos".

A empresa lesada já fez saber que está a avaliar "toda a gama de possíveis implicações" decorrentes do embargo, preparando-se agora para "responder proativamente às consequências".

Um dia depois da decisão de Washington, a cotação das ações da empresa de telecomunicações foi suspensa na bolsa de valores de Hong Kong.

Na segunta-feira, as autoridades norte-americanas decidiram pôr fim às exportações de componentes destinadas ao grupo chinês ZTE, devido a declarações fraudulentas num inquérito sobre a investigação ao embargo imposto ao Irão e à Coreia do Norte.

A suspensão das exportações significa que a ZTE vai deixar de receber componentes para os integrar nos seus produtos.

Tópicos:

Xangai,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.