Começa a definição de serviços mínimos para greve de camionistas

por RTP

As empresas de transportes de mercadorias garantem que não vão ceder nem negociar com os dois sindicatos de motoristas que convocaram a greve.

É um braço-de-ferro que deixa de fora a federação de sindicatos, que não aderiu ao pré-aviso de greve e que continua a negociar um aumento salarial de 700 euros para 2020.

Na quarta-feira começam a ser definidos os serviços mínimos para a greve que começa a 12 de agosto e que vai afetar postos de combustíveis, mas também supermercados, indústria e serviços.
pub