Comissário Phil Hogan quer PAC pós 2020 com mais apoios para jovens agricultores

| Economia

O comissário europeu para a Agricultura, Phil Hogan, defendeu hoje, em Bruxelas, a necessidade da Política Agrícola Comum (PAC) pós 2020 conter "um bom conjunto" de medidas destinadas aos jovens agricultores, como o acesso a instrumentos financeiros diversificados.

"Vou fazer o que conseguir para ajudar os jovens agricultores (...). Espero ter uma boa negociação e um bom conjunto de medidas para os jovens agricultores e respetivas organizações", disse Phil Hogan, durante a sua intervenção na conferência "O Futuro da Alimentação e da Agricultura".

O comissário europeu referiu ainda que é preciso aumentar os pagamentos aos jovens agricultores, por exemplo, no que se refere à instalação e ao acesso a créditos, bem como diversificar os instrumentos financeiros.

Adicionalmente, Phil Hogan garantiu esperar dos Estados-membros um plano sobre "o que estão a pensar fazer a nível nacional".

O responsável irlandês reiterou ainda a necessidade de modernizar e simplificar a PAC.

Devemos "partilhar conhecimentos, modernizar e simplificar" a PAC. "O sistema é complexo, mas temos vindo a refletir sobre as [possíveis formas] de tornar a política mais flexível", apontou.

Segundo a Comissão Europeia, a PAC pós 2020 será dotada, globalmente, com um orçamento de 365 mil milhões de euros, prevendo uma nova forma de trabalhar, uma distribuição mais justa dos apoios, maiores ambições no domínio do ambiente e utilização intensiva dos conhecimentos e da inovação.

No âmbito da PAC, a principal meta do Governo português é a manutenção da taxa de cofinanciamento nacional que, atualmente, está nos 15% e a União Europeia (UE) propõe que passe a 30%.

Entre as reivindicações do Governo estava ainda a manutenção do nível de apoios no primeiro pilar (pagamentos diretos aos agricultores) e no segundo pilar (desenvolvimento rural) da PAC, metas que já foram atingidas.

Tópicos:

Agrícola Comum PAC, Phil Hogan PAC,

A informação mais vista

+ Em Foco

A fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda continua a ser a maior dor de cabeça interna de Theresa May.

O ministro dos Negócios Estrangeiros considera, em entrevista à Antena 1, que Portugal tem a vantagem de não ter movimentos populistas organizados.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.