Concorrência não se opõe à compra pela China Tianying da Urbaser com participações na SUMA e EGF

| Economia

|

A compra pela China Tianying da totalidade do capital da espanhola Urbaser, que detém participações na SUMA - Ambiente e Serviços e EGF - Empresa Geral de Fomento, recebeu luz verde da Autoridade da Concorrência (AdC), revela um aviso.

A decisão de não oposição a esta operação de concentração foi tomada na quinta-feira e considerou a operação não suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva no território nacional ou numa parte substancial do mesmo.

A operação, notificada à AdC a 18 de maio pela empresa chinesa de energia, não é o primeiro investimento do grupo chinês em Portugal, depois de em outubro do ano passado ter comprado a operação em Portugal da seguradora francesa Groupama.

A Urbaser, que tem uma subsidiária em Portugal, é a empresa-mãe de um grupo ativo nos setores dos serviços urbanos e tratamento de resíduos, sediado em Espanha.

Em Portugal, através da subsidiária, e das participações na SUMA e EGF, a Urbaser está ativa na prestação de serviços de construção e exploração de instalações de tratamento de água, na recolha, tratamento e eliminação de resíduos perigosos e de resíduos não perigosos, na produção de eletricidade, no comércio a retalho de combustível para veículos a motor em estabelecimentos especializados, na captação e tratamento de água.

A China Tianying, sediada na China tem como principal atividade a incineração de resíduos sólidos urbanos (lixo doméstico) para gerar energia elétrica.

Tópicos:

AdC, EGF, Groupama, SUMA EGF, Tianying,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

        Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.